LOADING

Type to search

Share

Na última sexta-feira, 29 de maio, os Governos da Espanha e dos Estados Unidos da América (EUA) anunciaram a assinatura de um Acordo, o qual permite que as Forças Armadas dos Estados Unidos utilizem de forma permanente a Base Militar de Morón de la Frontera, localizada em Andaluzia, na região sudoeste da Espanha, para acomodar a Special PurposeMarine AirGround Task Force Crisis Response. Desde a década de 1950, no contexto da Guerra Fria, a Espanha e os Estados Unidos congregam suas forças militares nessa Base para atuar em missões e crises.

O Conselho de Ministros da Espanha aprovou neste dia (29 de maio) uma Emenda que modifica o atual Acordo Bilateral firmado em 1988, que é renovado anualmente entre os dois países, a respeito do uso da Base Morón[1]. O novo acordo, que ainda precisa ser ratificado pelo Parlamento da Espanha, possibilitaria o uso constante da Base de Morón de la Frontera pelas Forças NorteAmericanas. O Governo espanhol deseja ratificar o documento antes de sua dissolução, prevista para o segundo semestre. Ademais, ele prevê que o Governo norteamericano investirá cerca de US$ 29 milhões em infraestrutura na Base de Morón, o que por sua vez impulsionará a economia local[2].

Desse modo, os Estados Unidos devem estabelecer uma força de reação rápida no local a  fim de agir na África, Oriente Médio, e na própria Europa. Segundo afirmou Soraya Saenz de Santamaria, vicepresidente da Espanha, o acerto “torna permanente a implantação na base de Morón de uma força de 2.200 soldados e 500 civis, além de mais 26 aviões[3]. Assim, os EUA poderão alocar até 3.000 soldados na Base e o número de aeronaves passará de 14 para 40.

Os Estados Unidos criaram a Força Special PurposeMarine AirGround Task Force Crisis Response, em resposta ao ataque no Consulado de Benghazi na Líbia, ocorrido em 11 de setembro de 2012.

Essa Força tem como objetivo de suas missões a proteção das embaixadas, resgatar militares em perigo, evacuar civis ou intervir em conflitos e crises humanitárias[4]. Desde abril de 2014 os Estados Unidos possuem uma força de reação rápida na Base de Morón, que conta com aproximadamente 850 soldados e unidades de apoio, incluindo um destacamento aéreo com aviões de transporte MV22 Ospreys[5].

Alguns analistas pontuam que o acerto facilitará as ações do Comando dos Estados Unidos para a África (AFRICOM), uma das seis divisões de forças dos EUA espalhadas pelo mundo, uma vez que as práticas militares de contenção do vírus ebola no oeste do continente africano foram feitas com apoio da Base de Morón[6]. Além disso, cabe destacar que essa região é geoestratégica, pois possibilita o rápido acesso à Europa, África e também ao Oriente Médio.

Nessa ordem de ideias, tendo em vista as crises que assolam essas regiões, contar com a Base Militar de Morón de la Frontera permite a articulação rápida das Forças Armadas NorteAmericanas. Para Soraya Saenz de Santamaria, o Acordovisa contribuir para a estabilidade regional e segurança comum na África, Europa e Oriente Médio, mediante a implantação permanente de uma força de resposta à crise na base aérea para proteger os cidadãos e as instalações dos Estados Unidos na Espanha, bem como os Estados membros da Aliança do Atlântico Norte (OTAN)[7].

O Documento que seria assinado por John Kerry, Secretário de Estado dos Estados Unidos, durante a sua primeira visita a Espanha no último final de semana, teve que ser adiado, após o Secretário sofrer um acidente de bicicleta na França. No entanto, segundo fontes diplomáticas, ainda não foi decidido como será firmada a reforma do Acordo Bilateral[8].

—————————————————————————————–

Imagem (Fonte):

http://www.greenguidespain.com/andalucia/2014/10/ebola-update-usa-requests-use-of-spanish-military-bases-in-fight-against-outbreak/

—————————————————————————————–

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.thelocal.es/20150529/us-to-boost-military-presence-in-spain

[2] Ver:

http://sputniknews.com/europe/20150529/1022727484.html

[3] Ver:

http://www.swissinfo.ch/por/espanha-autoriza-base-permanente-dos-eua-para-responder-a-crise-africana-/41459620

[4] Ver:

Idem.

[5] Ver:

http://www.defensenews.com/story/defense/2015/05/29/official-spain-approves-permanent-us-base-for-africa-force/28149531/

[6] Ver:

http://rt.com/news/263421-spain-us-permanent-base/

[7] Ver:

http://www.swissinfo.ch/por/espanha-autoriza-base-permanente-dos-eua-para-responder-a-crise-africana-/41459620

[8] Ver:

http://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/31/internacional/1433066256_356304.html

Tags:
Jessika Tessaro - Colaboradora Voluntária Júnior

Pós-graduanda do curso de Especialização em Estratégia e Relações Internacionais Contemporâneas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É Graduanda do Curso de Políticas Públicas da UFRGS e bacharel em Relações Internacionais pela Faculdade América Latina Educacional. No presente, desenvolve estudos sobre a geopolítica e a securitização dos Estreitos internacionais e Oceanos.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.