LOADING

Type to search

A proposta de John Kerry para negociações entre Israel e Palestina

Share

Essa semana, o “Secretário de Estado dos Estados Unidos”, John Kerry, está terminando de montar a equipe que auxiliará as negociações entre Israel e Palestina[1]. Após sua sexta visita à região, Kerry anunciou na última sexta-feira que ambas as partes haviam concordado em restabelecer o diálogo, interrompido há quase três anos em função dos assentamentos israelenses na Cisjordânia e na “Jerusalém Oriental[2].

No entanto, os palestinos insistem que as negociações não podem ocorrer sem que todas as partes concordem que as fronteiras anteriores a 1967 sejam sua base. Essa exigência foi transmitida por Mahmoud Abbas, presidente da “Autoridade Nacional Palestina”, a Kerry, juntamente ao pedido de esclarecimentos, por parte de Israel, sobre o processo de soltura de prisioneiros palestinos[3].

A esse respeito, matéria do “The Times of Israel” esclarece que “os prisioneiros devem ser liberados em quatro fases – uma fase a cada quatro meses – à medida que as negociações progredirem[4]. Ainda assim, Qadura Fares, presidente do “Palestinian Prisoners Club”, afirma que Abbas almeja a liberação de 103 detentos, em contraposição à soltura prometida por Israel de 82 palestinos com mais de 20 anos cumpridos de pena[3].

Ao mesmo tempo, Israel também parece oferecer obstáculos às negociações buscadas por Kerry: o Primeiro Ministro israelense, Benjamin Netanyahu, planeja acelerar no Knesset (o parlamento israelense) uma nova lei que tornaria necessária a aprovação do povo de Israel, por meio de referendo, qualquer acordo de paz estabelecido com os palestinos. Essa lei expandiria outra, de 2010, segundo a qual a cessão de soberania de territórios anexados por Israel necessitaria de aprovação de referendo nacional[4].

A tentativa de Kerry de restabelecer o diálogo entre Israel e Palestina foi vista com certa descrença por analistas e pela comunidade internacional. O jornalista israelense Amnon Lord opinou que esse processo de paz visava, em realidade, a “fazer parecer que os Estados Unidos estão fazendo alguma coisa no Oriente Médio[5].

Apesar do recente apoio da “Liga Árabe[6], essa descrença parece se manter. O jornalista Karl Vick afirma que as dinâmicas que levaram ao estabelecimento de negociações tem menos a ver com a questão fundamental a ambos os lados – a reivindicação de um mesmo território –, destacando a preocupação do governo de Israel com o esforço da “União Europeia” de barrar a assistência financeira prestada a entidades israelenses que operam na Cisjordânia[7].

Ainda, diversos líderes palestinos declaram que a proposta de Kerry era insuficiente, por não exigir um congelamento nos assentamentos israelenses, ou que as negociações se dessem com base nas fronteiras anteriores a 1967[8].

Entretanto, como observa o analista Hussein Ibish, apesar do pouco otimismo sobre os resultados de tais negociações, o que caracteriza as posturas israelense e palestina é não serem vistos como “aqueles dizendo não”, postura que caracterizou, segundo o especialista, ambas as partes, quando da última tentativa do governo Obama de restabelecer o diálogo[9].

Ibish aponta ainda a declaração da “Liga Árabe” de que a proposta de Kerry apresenta boas bases para as negociações, especialmente em relação a “novos e importantes elementos políticos, econômicos e de segurança[10], fazendo referência, em parte, ao investimento de 4 bilhões de dólares na economia palestina, que Kerry vem discutindo desde março, bem como a supostos outros elementos da proposta, cujos detalhes são mantidos a sete chaves e ainda não foram revelados ao público[9]. É nessas especificidades da proposta, ainda secretas à mídia, que pode residir a maior chance de sucesso da iniciativa.

———————

Imagem (Fonte):

http://www.foreignpolicy.com/articles/2013/07/18/this_could_actually_work_israel_palestine_ peace_process_kerry

———————-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2013/07/23/Kerry-finalizes-Middle-East-negotiations-team-in-peace-push.html

[2] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-23386162

[3] Ver:

http://www.reuters.com/article/2013/07/22/us-palestinians-israel-idUSBRE96K03H20130722

[4] Ver:

http://www.timesofisrael.com/netanyahu-seeks-national-referendum-on-peace-deal/

[5] Ver:

http://www.foreignpolicy.com/articles/2013/07/02/dead_on_arrival_middle_east_peace_john_kerry

[6] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-23346255

[7] Ver:

http://world.time.com/2013/07/20/israel-and-palestine-agree-to-peace-talks-but-with-reluctance/

Ver também:

http://www.reuters.com/article/2013/07/16/us-israel-settlements-eu-idUSBRE96F0OM20130716

[8] Ver:

http://www.nytimes.com/2013/07/19/world/middleeast/palestinians-call-kerrys-formula-for-talks-insufficient.html?ref=middleeast&_r=1&

[9] Ver:

http://www.foreignpolicy.com/articles/2013/07/18/this_could_actually_work_israel_palestine_peace_process_kerry

[10] Ver:

http://www.statesman.com/ap/ap/top-news/kerry-briefs-arabs-on-peace-bid-egypt-syria/nYsgt/

Ricardo Fal Dutra Santos - Colaborador Voluntário

Mestre em Segurança Internacional pela Paris School of International Affairs, Sciences Po, com especialidade em direitos humanos e Oriente Médio. Especialista em Ajuda Humanitária e ao Desenvolvimento pela PUC-Rio. Bacharel e licenciado em História pela UFF. Atualmente, atua como pesquisador da ONG palestina BADIL Resource Center, e possui experiência de campo na Cisjordânia. Escreve para o CEIRI Newspaper sobre crises humanitárias, violações de direitos humanos e fluxos migratórios e de refugiados.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.