LOADING

Type to search

A aproximação entre Hamas e Fatah na Palestina

Share

A semana do dia 17 de setembro de 2017 (Domingo) começou com notícias de grande relevância para a atual situação da Palestina. O partido político Hamas, que administra o território da Faixa de Gaza desde 2007, concordou em encaminhar tratativas com seu rival, Fatah, expressando o desejo de promover eleições gerais na Palestina. De acordo com a declaração de domingo, o Hamas teria aceitado as condições estabelecidas por Mahmoud Abbas, atual presidente da Autoridade Palestina, desarticulando, assim, o comitê administrativo de Gaza, considerado um “governo paralelo” pela organização de Abbas.

Mapa da Faixa de Gaza

Desde as eleições de 2007, quando o Hamas ganhou a maioria no Parlamento, a administração da Palestina tem vivido profunda divisão e rivalidade. Apesar de muitas tentativas de reconciliação entre os governos, a expulsão do Fatah da Faixa de Gaza fez com que os territórios palestinos se tornassem cada vez mais isolados um do outro. Em 2014, os rivais foram capazes de estabelecer um Governo unitário da Palestina, entretanto, este foi impedido de operar dentro de Gaza. Nas declarações do dia 17, o Hamas se colocou como apto a abrigar o governo unitário, liderado por Abbas, em seu retorno ao território.

O Fatah recebeu com boas vistas o convite, porém se pronunciou afirmando que gostaria de “ver estes votos implementados antes de seguir com a aproximação”. Essa movimentação ocorre após conversas separadas lideradas pelo Egito, à luz do acordo assinado em 2011 com o Hamas, no Cairo, que previa o fim da disputa e o estabelecimento de um governo interino.

Apesar das notícias de aproximação, a administração de Abbas tem tomado posições de negligência aos habitantes de Gaza nos últimos meses. Como medida de contenção ao Hamas, o Presidente limitou o fornecimento de energia elétrica ao território, como também reduziu salários de empregados em Gaza, e declinou do recebimento de permissões para viagens com finalidade medicinal aos habitantes do lugar. Na declaração de Domingo, constavam pedidos pela suspensão dessas medidas, tendo em vista o bem-estar da população palestina.

Na terça-feira (19 de setembro de 2017), como resposta à declaração do Hamas, o Primeiro-Ministro da Autoridade Palestina, Rami Hamdallah, anunciou que está se preparando para uma visita à região, para conversas com o partido. Segundo Nabil Shaath, Assessor do presidente Abbas, a visita consolidaria a troca de poder sobre ministérios administrativos de Gaza, como um primeiro passo para a continuidade da união dos governos e para retiradas das sanções econômicas ao Hamas.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Bandeira do Hamas” (Fonte):

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/thumb/0/0d/Hamas_logo.svg/934px-Hamas_logo.svg.png

Imagem 2 “Mapa da Faixa de Gaza” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Faixa_de_Gaza#/media/File:Gaza_Strip_map2.svg

Gabriel Mota - Colaborador Voluntário

Gabriel Mota Silveira é formado em Relações Internacionais. É mestrando do programa de pós-graduação em Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PPGRI/PUC-MG), com linha de pesquisa em Insituições, Conflitos e Negociações Internacionais. É pós-graduado em Relações Governamentais e Políticas Públicas pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), e discente associado ao Centro Brasileiro de Estudos Constitucionais do Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento (CBEC-ICPD). Entusiasta do estudo do Terrorismo Transnacional e Insituições Internacionais. Já prestou serviço ao Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, trabalhou na Embaixada do Reino Unido em Brasília e no Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Atua hoje junto à Assessoria de Relações Internacionais da Secretaria de Estado de Governo de Minas Gerais.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.