LOADING

Type to search

Assad mantém repressão a cidades para manter a ordem

Share

O presidente da Síria, Bashar Al-Assad, manteve a repressão cidades para impedir manifestações da oposição ao seu governo. Sob o argumento de que está abrindo espaço para negociações e pretende realizar alterações na Constituição do país visando reformar o Regime, o mandatário sírio ordenou no domingo, dia 3 de julho, o deslocamento de tanques para se posicionarem na entrada de Hama, logo após a ocorrência de manifestação tida na sexta-feira, dia 1o de julho, que reuniu centenas de milhares de cidadãos (fontes informam que chegou a 500.000 pessoas).

 

Segundo o presidente do “Observatório Sírio de Direitos Humanos”, Rami Abdel-Rahman, “Dezenas de pessoas estão sendo presas nas vizinhanças de Hamah. Parece que as autoridades optaram por uma solução militar para conquistar a cidade”*,

Organizações de “Direitos Humanos” apontam para o uso de grande violência, trazendo à tona o fantasma de um dos maiores massacres na história da Síria, ocorrido na região em 1982, quando foram mortas 30 mil pessoas por tropas da etnia Alawite, com o objetivo de encerrar protestos contra o pai do atual presidente, Hafez Al-Assad, que então era “Presidente da República”.

Recentemente, há um mês, houve outro massacre perpetrado pelas forças de segurança do país, com a morte de 60 manifestantes, causadas, segundo informações de moradores, por tiros desferidos contra a multidão.

A tática que está sendo usada neste momento é a mesma de outras ocasiões, pela qual se interrompe as comunicações da cidade, isolando-a, e, além disso, impede que haja divulgação do volume, da forma e da intensidade com a qual é feita a repressão.

Sites internacionais e de organizações de “Direitos Humanos” estão divulgando imagens de que a manifestação ocorrida na cidade na sexta-feira, dia 1o de julho, foi pacífica, o que está levando ao recuo da possibilidade de diálogo entre a oposição e o governo.

Analistas afirmam que, diante das ações de Assad, a tendência será o aumento das manifestações, bem como da repressão, levando ao maior isolamento do Governo perante a comunidade internacional, mesmo que vários países ainda tenham esperança de uma solução negociada para a crise na Síria.

—————————–

Fonte:

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5219944-EI294,00-Tanques+sirios+se+posicionam+em+Hamah+apos+grande+protesto.html

Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.