LOADING

Type to search

Ataque aéreo dos Estados Unidos mata líder do grupo terrorista Al-Shabaab

Share

Na última sexta-feira (5 de setembro), o Departamento de Defesa dos Estados Unidos emitiu uma declaração na qual confirmou a morte de Ahmed Abdi Godane, líder do grupo terrorista Al-Shabaab, situado no Chifre da África. De acordo com a Casa Branca, o ataque foi por via aérea, com a utilização de drones[1]. No anúncio, afirmou-se que os EUA continuarão a dar apoio aos seus parceiros internacionais, particularmente à Missão da União Africana na Somália, que, juntamente ao Governo da Somália, tenta construir um futuro seguro e estável para esta população[2].

O presidente do queniano Uhuru Kenyatta agradeceu publicamente o apoio dos EUA e relembrou a morte de 67 pessoas no ataque de Westgate, sob a responsabilidade do grupo Al-Shabaab e liderança de Godane. Desde então, Uhuru tinha prometido que os criminosos do ataque não sairiam impunes, fossem pelas mãos dos quenianos ou pelas mãos dos amigos. Além disso, declarou que os quenianos agradecem de coração aos EUA e seus soldados por trazerem um fim para a trajetória de morte e destruição de Godane[3].

Ahmed Godane possuía sua autoridade como líder do grupo Al-Shabaab, ao combinar carisma com força bruta, o que permitiu alinhar os interesses financeiros e formalizar uma aliança com o grupo terrorista Al-Qaeda, em 2012.  Uma das formas encontradas por ele para se consolidar no poder se deu através da eliminação de rivais dentro da própria organização. Por exemplo, o representante Ibrahim al-Afghani foi morto em 2013, após enviar uma carta aberta para a liderança central da Al-Qaeda e retratar a regra despótica imposta por Godane[4].

De acordo com a analista do Heritage Institute for Policy Studies, Abdi Aynte, não há um sucessor claro para Godane. Provavelmente, após a sua morte, haverá desintegração e fragmentação da organização, além de uma possível emergência de mais grupos violentos e extremistas, provenientes do grupo. Para Abdiweli Abdisamed, analista independente do Chifre da África, matar o líder do grupo não é suficiente para deter o Al-Shabaab, pois a morte de uma pessoa não significa a morte de uma ideologia[4].

Apesar da opinião dos especialistas, no sábado (6 de setembro), os militantes do grupo terrorista escolheram por unanimidade o novo líder: Abu Ubaidah Ahmed Omar[5]. De acordo com analistas, Abu Ubaidah era muito próximo do ex-líder, segue linha dura e é impiedoso. Acredita-se, inclusive, que ele esteve envolvido nos episódios de homicídio contra os rivais de Godane dentro do grupo[6].

Enquanto isso, o Governo da Somália mantém seus serviços de segurança em alto nível de alerta. De acordo com o Ministro da Segurança Nacional da Somália, Khalif Ahmed Ereg, as agências de segurança obtiveram informações de o grupo Al-Shabaab está planejando descarregar represálias contras instalações médicas, governamentais e em centros de educação[5].

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://www.smh.com.au/world/us-confirms-death-of-al-shabaab-leader-godane-in-somalia-air-strike-20140906-10d9yf.html

—————————————————————————

Fontes Consultadas:

[1] VerAll Africa”:

http://allafrica.com/view/group/main/main/id/00032394.html?aa_source=slider-cat-2-40

[2] VerWhite House”:

http://www.whitehouse.gov/the-press-office/2014/09/05/statement-press-secretary-death-ahmed-godane

[3] VerStandard Digital”:

http://www.standardmedia.co.ke/article/2000133989/uhuru-praises-us-for-killing-al-shabaab-leader

Ver tambémDaily Nation”:

http://www.nation.co.ke/news/Al-shabaab-ahmed-Godane-westgate-Uhuru/-/1056/2443278/-/t44m66/-/index.html

[4] VerAll Africa”:

http://allafrica.com/stories/201409060012.html

[5] VerAll Africa”:

http://allafrica.com/stories/201409070001.html?aa_source=mf-hdlns

[6] VerDaily Nation”:

http://www.nation.co.ke/news/africa/Al-Shabaab-Ahmed-Abdi-Godane-Ahmad-Umar/-/1066/2444302/-/vt8e44z/-/index.html

João Antônio dos Santos Lima - Colaborador Voluntário

Mestre em Ciência Política na Universidade Federal de Pernambuco e graduado em Relações Internacionais na Universidade Estadual da Paraíba. Tem experiência como Pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) no projeto da Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi). Foi representante brasileiro no Capacity-Building Programme on Learning South-South Cooperation oferecido pelo think-tank Research and Information System for Developing Countries (RIS), na Índia; digital advocate no World Humanitarian Summit; e voluntário online do Programa de Voluntariado das Nações Unidas (UNV) no projeto "Desarrollar contenido de opinión en redes sociales sobre los ODS". Atualmente, mestrando em Development Evaluation and Management na Universidade da Antuérpia (Bélgica) e Embaixador Online do UNV na Plataforma socialprotection.org.

  • 1

Deixe uma resposta