LOADING

Type to search

Casa Branca publica primeira estratégia nacional em cibersegurança, em 15 anos

Share

No dia 20 de setembro de 2018, o governo norte-americano divulgou sua primeira estratégia completa na área de segurança cibernética, em 15 anos. O documento está estruturado em quatro pilares principais: fortalecer o povo, a pátria e o estilo de vida norte-americano; promover a prosperidade dos Estados Unidos; preservar a paz, por meio da força; promover a influência internacional estadunidense.

Selo da Presidência dos Estados Unidos

Ao apresentar a estratégia, o presidente Donald Trump afirmou que “Não podemos ignorar os custos da atividade cibernética maliciosa – econômica ou não – direcionada ao governo, às empresas e aos indivíduos da América (…). Informados pela orientação da estratégia, os departamentos e agências federais executarão com mais eficiência suas missões para tornar a América segura no âmbito do ciberespaço”.

Nesse sentido, o projeto apresenta a percepção de que, atualmente, o ciberespaço é um componente inseparável dos âmbitos financeiro, social, político e governamental estadunidenses. Assim, apresenta como áreas prioritárias os setores energético, financeiro, de saúde, de comunicações, de tecnologia da informação e de transporte. 

Em relação aos atores que podem executar ações contra os EUA, o documento identifica a Rússia, o Irã e a Coreia do Norte como principais ameaças à segurança estadunidense e dos seus aliados, devido aos supostos ciberataques realizados por esses países nos últimos anos.

No mesmo sentido, a China também é citada, devido à possível espionagem e ao roubo de propriedade intelectual de ativos pertencentes aos setores público e privado norte-americanos. Ademais, atores não-estatais, como grupos terroristas, são considerados protagonistas hostis por utilizarem o ciberespaço com objetivos de buscar financiamento, de recrutar simpatizantes e de atacar os Estados Unidos e seus aliados internacionais.

John Bolton – Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA

A estratégia enfatiza a relevância de tratar a cibersegurança por meio de uma abordagem baseada no apoio aos valores norte-americanos, como a crença no poder da liberdade individual, da liberdade de expressão, da defesa dos livres mercados e da privacidade dos cidadãos. Nesse sentido, o documento almeja evitar a utilização de uma abordagem puramente tecnocrata, por ser considerada insuficiente para lidar com os desafios no ciberespaço.

A proposta também enfatiza a relevância de a comunidade internacional fortalecer as normas já existentes nessa área, como a Convenção sobre o Cibercrime, conhecida como Convenção de Budapeste, firmada no âmbito do Conselho da Europa em 2001, e que é considerada como o tratado internacional pioneiro para tratar sobre crimes na internet.  

Pode-se considerar que um dos desafios da estratégia de segurança cibernética é o receio de o documento se tornar ultrapassado futuramente, contudo, de acordo com o Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, o diplomata John Bolton, uma vez que a segurança cibernética é uma área extremamente dinâmica, o projeto será constantemente atualizado para refletir as ameaças futuras à defesa norte-americana.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Segurança Cibernética” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Computer_security#/media/File:Cybersecurity.png

Imagem 2 Selo da Presidência dos Estados Unidos” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Seal_of_the_President_of_the_United_States#/media/File:Seal_of_the_President_of_the_United_States.svg

Imagem 3 John Bolton Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/John_R._Bolton#/media/File:John_R._Bolton_by_Gage_Skidmore.jpg

Danilo Reis - Colaborador Voluntário

Mestre em Relações Internacionais (UEPB), especialista em Direito Internacional e Comércio Exterior (UnP) e bacharel em Relações Internacionais (UnP). É professor universitário e coordenador acadêmico, interessa-se por temas como: Cooperação Internacional em Ciência, Teconolgia e Inovação; Diplomacia Científica; Technopolitics e Peace Innovation.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!