LOADING

Type to search

Contramarcha da Paz: o Massacre de Tumaco na Colômbia

Share

Seguramente, os morticínios ocorridos no último dia 5 de outubro na Colômbia podem ser chamados de Massacre de Tumaco. Quatro dias depois, no dia 9 de outubro de 2017, o jornal El Espectador publicou que as forças policiais dispararam contra os cocaleros que protestavam contra a erradicação das plantações de coca.

As informações, contudo, são contraditórias, pois o Governo afirma que morreram seis pessoas, mas os habitantes da área declaram que foram pelo menos 10, alguns desaparecidos e pelo menos 15 feridos. Este fato foi desmentido pelo comunicado oficial da polícia, mas as comunidades categoricamente fazem tal acusação à força pública. A Comissão humanitária que se deslocou até Tumaco também foi atacada pelas forças policiais, inclusive o vice-presidente Oscar Naranjo reconheceu o “comportamento irregular” por parte dos membros da Polícia Nacional.

https://www.youtube.com/watch?time_continue=529&v=4wIV404j98w O ocorrido é resultado da política de erradicação dos narcocultivos pelo Governo da Colômbia. Os camponeses, no entanto, consideram insuficientes os recursos providos pelo governo para que abandonem o cultivo da folha de coca. O presidente Juan Manuel Santos, por sua vez, avalia como algo fundamental para o processo de paz o fim dessas lavouras. Declarou: “Nós não vamos permitir que nenhuma organização criminal frustre uma política que deve ser uma política exitosa, que necessitamos que seja exitosa de recuperar a legalidade em todo o território nacional e de substituir os cultivos de coca por cultivos lícitos”.

Neste final de semana, o presidente Santos visitou Tumaco e, após o término da reunião com líderes sociais, anunciou a Campanha Atlas, que consiste em uma reorganização das forças de segurança e defesa. Afirmou: “analisamos, ponto a ponto, uma campanha que estamos lançando, a qual chamamos de campanha Atlas, que tem a ver com uma reorganização e fortalecimento de toda a presença da Força Pública, de todas as forças: Exército, Marinha e, através da Marinha, do Corpo de Fuzileiros Navais, da Força Aérea e, claro, da Polícia”.

O Presidente também afirmou que conversou com os líderes comunitários da cidade. Em suas palavras: “Para esse fim, nos reunimos hoje em uma segunda reunião, toda a tarde, com porta-vozes de diferentes comunidades, porta-vozes de vítimas, mulheres, jovens, comunidades afro, comunidades indígenas, uma ampla gama de porta-vozes, a quem ouvimos sobre sua visão do problema que está sendo experimentado no município de Tumaco, seus pedidos e suas soluções”.

Acredita-se que possa estar ocorrendo uma luta pelos corredores do tráfico que foram deixados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, que recentemente assinaram o Acordo de Paz com o Governo e se transformaram em um partido político, atualmente chamado Força Alternativa Revolucionária do Comum (FARC).

Este massacre, por sua vez, está demonstrando que o processo de paz está somente em seu início, com muitas marchas e contramarchas ainda a ocorrerem, já que se trata de uma situação com mais complexidade que a calculada inicialmente.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Chegada do presidente Santos a Tumaco” (Fonte):

http://web.presidencia.gov.co/videos/2017/Fotos/Octubre/171021_01_VisitaTumaco.jpg

Imagem 2 Declaração de Juan Manuel Santos em Tumaco” (Fonte):

https://www.youtube.com/watch?time_continue=529&v=4wIV404j98w

Samuel de Jesus - Colaborador Voluntário

É doutor em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Ciências e letras da UNESP - Araraquara - SP. É Mestre em História desde o ano de 2003 pelo programa de Pós - Graduação em História da UNESP de Franca/SP, atuando principalmente nos seguintes temas: História, política, democracia, militarismo, segurança, defesa e Relações Internacionais. Membro do Grupo de Pesquisas sobre História Política e Estratégia - GEHPE-UFMS e do Núcleo de Pesquisas sobre o Pacífico e Amazônia - NPPA (FCLAr UNESP). É professor de História da América da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - UFMS - campus de Coxim/MS

  • 1

Deixe uma resposta