LOADING

Type to search

Coreia do Sul acusa a Coreia do Norte de ataques cibernéticos

Share

O representante Lee Cheol-hee, do Partido Democrata sul-coreano e membro do Comitê de Defesa Nacional, acusou a Coreia do Norte de ter hackeado e extraído informações militares estratégicas do Centro de Dados de Defesa Integrados da Coreia do Sul. Segundo Lee Cheol-hee, fontes relacionadas à Defesa sul-coreana confirmaram que a Coreia do Norte conseguiu extrair mais de 235 gigabytes de documentos, embora não se saiba ao certo quais foram extraídos. Porém, um dos documentos obtidos corresponde a partes de uma operação conjunta entre Estados Unidos e Coreia do Sul, denominada “Plano Operacional 5015”, no qual o objetivo é um “ataque de decapitação” contra a liderança norte-coreana. Os planos roubados consistem no seu rastreamento, isolamento dos seus esconderijos, seguido por bombardeamento aéreo dos alvos selecionados.

Bandeira norte-coreana projetada no mapa do país

As informações supostamente foram obtidas durante o ataque cibernético que aconteceu no ano passado (2016) contra o Centro de Dados de Defesa Integrados, pelo qual a Coreia do Norte foi apontada como a autora do ataque. Além de dados a respeito do Plano Operacional 5015, também se acredita que os norte-coreanos obtiveram acesso a outros dados que vão desde planos de contingência das forças especiais sul-coreanas, a informações a respeito de capacidade militar e energética. Porém, estima-se que ainda não se pode identificar o conteúdo de 80% dos documentos obtidos.

A Coreia do Sul vem repetidamente acusando Pyongyang* de realizar ataques cibernéticos contra seus sistemas e redes de computadores. De fato, a crescente tensão entre as duas Coreias no espaço cibernético já foi publicada previamente no CEIRI NEWSPAPER.

Enquanto a Coreia do Norte nega responsabilidade pela ação, criticando Seoul** por fabricar alegações a respeito do ataque, os EUA declararam, a partir da fala do coronel Robert Manning, porta-voz do Pentágono, que “Embora eu não comente sobre questões de inteligência ou incidentes específicos relacionados à invasão cibernética, posso garantir que estamos confiantes na segurança de nossos planos de operações e na nossa capacidade de lidar com qualquer ameaça da Coreia do Norte”.

Conforme as tensões entre as Coreias e os EUA escalam, as informações supostamente obtidas pela Coreia do Norte representam uma grande perda estratégica e operacional para os Estados Unidos e Coreia do Sul, em um momento extremamente delicado na relação dos países com Pyongyang*.

———————————————————————————————–                    

Notas:

* Capital da Coreia do Norte, aqui significando o Governo do país.

** Capital da Coreia do Sul, aqui significando o Governo do país.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1Líder norte coreano Kim JongUn” (Fonte):

https://www.flickr.com/photos/[email protected]/32900447604

Imagem 2Bandeira nortecoreana projetada no mapa do país” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File%3AFlag-map_of_North_Korea.svg

Breno Pauli Medeiros - Colaborador Voluntário Júnior

Mestrando em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME). Formado em Licenciatura e Bacharelado em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Desenvolve pesquisa sobre o Ciberespaço, monitoramento, espionagem cibernética e suas implicações para as relações internacionais. Concluiu a graduação em 2015, com a monografia “A Lógica Reticular da Internet, sua Governança e os Desafios à Soberania dos Estados Nacionais”. Ex bolsista de iniciação científica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), período no qual trabalhou no Museu Nacional. Possui trabalhos acadêmicos publicados na área de Geo-História e Geopolítica.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.