LOADING

Type to search

Share
Segundo o Relatório “Monitor Econômico da Ásia”, lançado este mês pelo Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD), os Emergentes do Leste Asiático (abrange os 10 membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático mais Hong Kong-China, República da Coréia, e Taipei-China) estão na transição da recessão para a recuperação, apesar do crescimento econômico na região continuar diminuindo neste ano.
 
A recessão dos EUA, Europa e Japão continuará a abater as economias emergentes da Ásia Central e com mais impacto nos países menores que são altamente dependentes das exportações.
 
As maiores economias da região que implementaram grandes pacotes fiscais começam a ver os resultados no estímulo doméstico, o que pode ser melhor percebido na República Popular da China, a qual se manteve firme durante a crise por  ter feito investimentos internos e apostado na cooperação internacional como alternativa para fomentar o comércio internacional trazendo, assim, benefícios mútuos aos países parceiros e a ela própria.
 
O relatório do BAD mostra-se inovador ao contemplar as questões de longo prazo, ou seja, para além da crise, dedicando um capítulo especial sobre a necessidade de manter a estabilidade financeira na região, dando atenção a uma reforma da regulamentação financeira.
 
O Banco Asiático de Desenvolvimento afirma que os países emergentes do Leste Asiático deverão reforçar a cooperação para reforçar a estabilidade financeira, acelerando as iniciativas regionais e participando ativamente na concepção de uma nova arquitetura financeira global.
Tags:
Daniela Alves - Analista CEIRI - MTB: 0069500SP

Mestre em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Relações Internacionais, jornalista e Especialista em Cooperação Internacional. Atualmente é CEO do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (CEIRI) e Editora-Chefe do CEIRI NEWSPAPER. Vencedora de vários prêmios nacionais e internacionais da área dos Direitos Humanos. Já palestrou em várias cidades e órgãos de governo do Brasil e do Mundo sobre temas relacionados a profissionalização da área de Relações Internacionais, Paradiplomacia, Migrações, Tráfico de Seres Humanos e Tráfico de órgãos. Trabalhou na Coordenadoria de Convênios Internacionais da Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo e na Assessoria Técnica para Assuntos Internacionais da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Governo do Estado de SP. Atuou como Diretora Executiva Adjunta e Presidente do Comitê de Coordenação Internacional da Brazil, Russia, India, China, Sounth Africa Chamber for Promotion an Economic Development (BRICS-PED).

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!