LOADING

Type to search

A China entra no setor elétrico no Brasil

Share

A estatal chinesa, “State Grid Corporation of China”, maior companhia de transmissão e distribuição de energia na China, comprou o controle de sete das 12 empresas da “Plena Transmissoras”, antes em mãos das empresas espanholas “Elecnor”, “Isolux” e “Cobra”. Por 3,1 bilhões de reais, a estatal chinesa conseguiu entrar no país e prometeu grandes investimentos. Atualmente, “a estatal chinesa possui mais de 200 mil Km de linhas de transmissão em todo o território chinês, equivalente a 90% das transmissões de energia no país“.

O acordo foi realizado na madrugada de domingo para segunda, em Beijing, capital da China, mas ainda aguarda aprovação da “Agência Nacional de Energia Elétrica” (ANEEL). “É o maior investimento direto da China no Brasil“, afirmou Eduardo Centola, presidente-executivo para as Américas do “Standard Bank”, que assessorou o conglomerado elétrico chinês.

Este acordo entra para o grande número de investimentos chineses no Brasil, que é considerado por muitos analistas, bem “agressivo” e positivo do ponto de vista do desenvolvimento interno.

A visita do presidente chinês a Brasília, realizada neste mês de maio, resultou na confirmação da opinião de inúmeros especialistas econômicos e acadêmicos, de que este ano seria de crescimento dos investimentos chineses no país, bem como das relações sino-brasileiras.

Fabricio Bomjardim - Analista CEIRI - MTB: 0067912SP

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. Atualmente é membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.