LOADING

Type to search

Estados Unidos e Turquia fazem aliança para atuar na Síria

Share

Em reunião ocorrida no sábado, dia 11 de agosto, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, e o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Ahmet Davutoglu, acordaram a criação de um “Grupo de Trabalho” a ser formado pelos dois países para definir a forma de atuação na Síria, diante da situação em que se encontra o país, considerando que o Regime está em vias de acabar.

De acordo com Hilary, “Vínhamos (os EUA) acompanhando muito de perto o conflito, mas agora precisamos avançar para os detalhes reais de tal plano operacional. Ele precisa envolver nossos ambos governos”*, com “(…) esforços para dar um fim à violência e iniciar a transição para uma Síria livre e democrática, sem (o presidente Bashar al-) Assad. (…). Nosso objetivo número um é apressar o fim do derramamento de sangue e do regime de Assad. (…). Nossos serviços secretos, nossos militares, têm responsabilidades muito importantes e papeis a serem cumpridos (na crise síria), então vamos estabelecer um grupo de trabalho para fazer exatamente isto”**.

 

Analistas destacam que, pelas declarações da Secretária norte-americana, os dois países preparam uma estratégia de avanço no território turco, embora no primeiro momento possa significar mais um apoio militar à Oposição, bem como a sua possível ocupação territorial em etapa futura.

Ambos os Estados temem que a queda do presidente Bashar al Assad, tido como certa e próxima, deixe um vazio de poder que poderá ser ocupado por grupos dispersos e inimigos destes dois países, com capacidade de desestabilizar a região e permitir que a Síria se torne um santuário para grupos considerados terroristas, como o “Partido dos Trabalhadores do Kurdistão” (PKK), a Al-Qaeda (já que há informações dos serviços de inteligência de que membros deste grupo estão lutando entre os rebeldes sírios), além do Hezbolah***.

Os dois países estão declarando a possibilidade de criação de uma “Zona de Exclusão Aérea”**** similar a que foi adotada na Líbia, como forma de intensificar o cerco ao atual Regime do país, além de medidas de sanções conta o Governo.

A questão, contudo não se apresenta de forma simples, uma vez que os russos certamente não permitirão esses movimentos em suas áreas estratégicas e agirão preventivamente para barrar qualquer iniciativa se perceberem movimentos de tropas em direção ao território sírio, já que os turcos admitiram recentemente que se for necessário avançarão na Síria para combater os curdos e demais inimigos. 

Os turcos consideraram as declarações da autoridade estadunidense como uma concordância com a sua política adotada contra a Síria e um apoio direto às ações que adotarão contra os curdos caso sejam necessárias, já que os confrontos entre o Governo da Turquia e os grupos separatistas curdos se estendem por anos e certamente acreditam que estes aproveitarão da situação criada com a crise síria para tentar atuar de forma direta pela declaração da independência do Kurdistão.

Com estes posicionamentos anunciados pelas autoridades dos dois Estados, analistas apontam para um distanciamento dos diálogos com os russos e chineses (principais atores a barrar as sanções diretas contra o “Governo Assad” no “Conselho de Segurança das Nações Unidas” – “CS da ONU”) e por isso a possibilidade de os combates no país adquirem uma dimensão maior, já que haveria um enrijecimento do diálogo entre EUA e Rússia, levando à estagnação de medidas externa concretas graças ao fim das negociações entre as potências, e por isso restando como recurso para os apoiadores da oposição síria o fornecimento direto de armas para combater o Regime, assumindo a Guerra Civil.

———————–

Fontes:

* Ver:

http://www.dgabc.com.br/News/5974165/eua-e-turquia-se-preparam-para-pior-cenario-na-siria.aspx

** Ver:

http://noticias.terra.com.br/noticias/0,,OI6071483-EI188,00-EUA+e+Turquia+vao+estabelecer+grupo+de+trabalho+para+crise+siria+diz+Hillary.html 

*** Ver:

http://g1.globo.com/revolta-arabe/noticia/2012/08/eua-e-turquia-temem-que-siria-se-torne-santuario-de-terroristas.html

**** Ver:

http://ultimosegundo.ig.com.br/revoltamundoarabe/2012-08-11/eua-e-turquia-consideram-estabelecer-zona-de-exclusao-area-sobre-a-siria.html

Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!