LOADING

Type to search

Estados Unidos impõem novas sanções econômicas à Rússia

Share

No dia 6 de abril (2018), o Governo dos Estados Unidos (EUA) anunciou novas sanções econômicas à Federação Russa, mas, dessa vez, afetando sete de seus grandes empresários*, catorze companhias**, estando listadas doze, as quais devem ser as que estão sob o controle desses empresários, e dezessete Oficiais do Governo Russo***. Segundo a Administração Trump, as medidas foram aplicadas com o intuito de punir a Rússia pela sua suposta intervenção nas eleições americanas de 2016, pela anexação da Crimeia em 2014 e pelo seu apoio ao governo de Bashar al-Assad na Síria.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o seu Vice-Presidente, Mike Pence

Tal decisão tomada pelo Governo Americano proíbe que as personagens mencionadas na chamada “lista negra” viajam aos EUA, façam negócios e até abram contas bancárias no território estadunidense, além disso, os bens deles que estão sob a jurisdição norte-americana estão congelados. É válido mencionar que essas sanções econômicas foram direcionadas aos principais homens de negócio da Rússia, sendo que alguns deles têm um relacionamento próximo ao presidente Vladimir Putin, como é o caso de Kirill Shamalov, conhecido não só por ser seu genro, como também por ser acionista da companhia energética Sibur. 

Em resultado, as consequências dessa ação possivelmente serão bastante sentidas na Rússia, visto que grandes companhias importantes à economia do país foram incluídas nessas sanções ditadas por Washington. Por exemplo, uma das maiores produtoras de alumínio da Rússia e do mundo, a empresa Rusal, teve seu valor diminuído pela metade na Bolsa e está prestes a declarar moratória, desde que o Governo americano anunciou essas medidas. Somado a isso, pelo fato de os Oficiais Russos de Agências Internacionais também estarem na lista, possivelmente a cooperação pela luta contra o terrorismo também poderá ser afetada, visto que a comunicação entre os dois países por esses fóruns de discussão das agências estará mais comprometida.

Apesar desse último ponto também vir a afetar os EUA, o Presidente norte-americano assinalou que essas medidas são necessárias, pois, segundo ele, a Rússia tem que ser responsabilizada por suas ações. De acordo com o Vice-Presidente dos EUA, Mike Pence, “as decisões de Trump mostram sua liderança forte e mandam uma mensagem clara: atividades malignas não serão toleradas pelos Estados Unidos”.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e, ao seu lado, o Primeiro Ministro da Rússia, Dmitri Medvedev

Por outro lado, a Federação Russa não está de acordo com mais essas sanções impostas. Para o primeiro-ministro Dmitri Medvedev, “as ações dos EUA são uma ameaça ao livre comércio e à economia de mercado, além de que elas são ilegítimas, pois não seguem o que está estabelecido pelo direito internacional”. Em vista disso, o Governo da Rússia já está preparando um pacote de retaliações e também está oferecendo total suporte econômico às grandes empresas que foram afetadas.

Diante do quadro, assiste-se, novamente, ao enfraquecimento das relações bilaterais entre as duas nações. Enquanto a Rússia segue indignada com o tratamento norte-americano e afirma que responderá de forma dura e à altura, os EUA destacam que essas medidas tomadas não significam o fim do diálogo entre os dois países. O momento é delicado e pede cautela, pois não se sabe quais serão os próximos passos tomados pelo Governo russo e nem por quanto tempo essas sanções se manterão. De fato, as medidas foram bastante duras, algo que provavelmente refletirá nas projeções econômicas futuras da Federação Russa.

———————————————————————————————–                    

Notas:

* Os sete empresários russos inclusos na lista de sanções de Washington, por ordem alfabética: Andrei Skoch; Igor Rotenberg; Kirill Shamalov; Oleg Deripaska; Suleiman Kerimov; Viktor Vekselberg e Vladimir Bogdanov.

** Essas catorze companhias russas incluídas na lista de sanções de Washington, por ordem alfabética, são: Agroholding Kuban; Basic Element Limited; B-Finance; En+ Group; GAZ Group; Gazprom Burenie; Eurosibenergo; Ladoga Management; NPV Engineering; Renova Group; Rosoboronexport; Russian Financial Corporation; Russian Machines e Rusal.

*** Alguns dos Oficiais Russos presentes na lista de sanções de Washington, por ordem alfabética: Aleksander Torshin, Vice-Governador do Banco da Rússia; Aleksander Zharov, Chefe do Órgão de Supervisão de Comunicações Roskomnadzor; Aleksei Dyumin, Governador da Região de Tula; Konstantin Kosachyvov, Presidente do Comitê de Assuntos Internacionais do Conselho da Federação; Mikhail Fradkov, Diretor do Instituto Russo de Estudos Estratégicos; Nikolai Patrushev, Secretário do Conselho de Segurança; Oleg Govorun, Chefe do Gabinete Presidencial de Cooperação Socioeconômica com os Países da CEI, a República da Abcásia e a República da Ossétia do Sul; Timur Valiulin, Chefe do Departamento de Resistência ao Extremismo do Ministério do Interior; Viktor Zolotov, Chefe da Guarda Russa; Vladimir Ustinov, Representante Presidencial no Distrito Federal do Sul; Vladimir Kolokoltsev, Ministro do Interior; Yevgeny Shkolov, Assessor Presidencial; e Vladislav Reznik, Presidente da Duma.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Encontro oficial entre o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na reunião do G20 em Hamburg, julho de 2017” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Vladimir_Putin_and_Donald_Trump_at_the_2017_G-20_Hamburg_Summit_(1).jpg

Imagem 2 O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o seu VicePresidente, Mike Pence” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Donald_Trump_and_Mike_Pence#/media/File:President_Trump_is_joined_by_Vice_President_Pence_for_an_Executive_Order_signing_(33803971533)_(2).jpg

Imagem 3 O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e, ao seu lado, o Primeiro Ministro da Rússia, Dmitri Medvedev” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Moscow_Victory_Day_Parade_2012-05-09_(41d3ea8745adb8200c98).jpg

Isabela Joia - Colaboradora Voluntária

Bacharela em Relações Internacionais pelas Faculdades de Campinas (FACAMP) e atual graduanda em Ciências Econômicas pela mesma instituição. Participou da Newsletter do Centro de Estudos de Relações Internacionais (CERI) da FACAMP como redatora e corretora de artigos. Fez sua tese de conclusão de curso sobre as relações diplomáticas entre a Rússia e os Estados Unidos no pós Guerra Fria. Tem grande paixão pela escrita e por assuntos relacionados à Segurança Internacional e Diplomacia.

  • 1

Deixe uma resposta