LOADING

Type to search

Fato histórico e diálogos bilaterais inéditos pós PyeongChang

Share

Apesar das tensões na península coreana entre as adjacentes do Sul e do Norte por conta de divergências político-ideológicas, houve um avanço histórico na negociação bilateral entre os dois países após declaração do COI (Comitê Olímpico Internacional), ao confirmar a participação de atletas norte-coreanos nos Jogos Olímpicos de Inverno 2018, realizado em PyeongChang, na Coreia do Sul.

Em oito anos, esta edição foi a primeira com participação da Coreia do Norte nas Olimpíadas de Inverno. A última conquista do país no evento foi uma medalha de bronze na patinação de velocidade feminina, em 1992. Quanto aos Jogos Olímpicos de Verão, os atletas norte-coreanos participaram de todas as edições desde 1972, com exceção de 1984 (Los Angeles, EUA) e 1988 (Seoul, Coreia do Sul), ambos por boicote.

O acordo foi formalizado no dia 9 de janeiro de 2018 por Cho Myoung-gyon, Ministro de Gabinete da Coreia do Sul, responsável pelas relações com o Norte, e sua contraparte, o norte-coreano Ri Son-kwon. A cidade de Panmunjom, na região da fronteira mais perigosa do mundo – mesmo local onde fora assinado o armistício que deu um fim “extraoficial”* à Guerra da Coreia, em 1953 –, foi palco desta reunião transmitida ao vivo para as capitais Seul e Pyongyang.

Norte e sul-coreanos levam a bandeira na cerimônia de abertura dos Jogos

Como forma de simbolizar a aliança pacífica, as duas delegações marcharam juntas na cerimônia de abertura da competição, sob a bandeira branca com o desenho da península da “Coreia Unificada”, ostentada por dois membros da delegação: Chung Gum, do hockey no gelo e nascido no Norte, e Yunjong Won, do bobsled e nascido no Sul.

Também contribuíram com atletas dos dois países, pela primeira vez na História dos Jogos Olímpicos, com o objetivo de formar um único time para a disputa de modalidades esportivas, como foi o caso do hockey feminino. A equipe formada por 12 jogadoras norte-coreanas e 23 sul-coreanas – respeitando o fair play de 22 atletas relacionadas por jogo – perdeu todas as disputas, sofrendo 28 gols para apenas dois gols marcados em cinco partidas, o que lhe garantiu a última colocação no grupo.

Time unificado de Hockey feminino, em partida contra Suécia

O atual presidente da Federação Internacional de Hochey no Gelo (no inglês, International Ice Hockey Federation – IIHF), René Fasel, endossou a iniciativa que vai ao encontro com o “ideal olímpico de paz através do esporte”. Neste mesmo sentido, Lee Hee-beom, diretor do Comitê Organizador da Olimpíada de PyeongChang 2018, enalteceu a colaboração internacional entre os dois países e disse que desde o começo tudo foi preparado para a participação da Coreia do Norte.

Ao que tudo indica, este espírito de concessões para um bem maior contagiou o cenário político e catalisou um encontro inédito que está previsto para acontecer em maio deste ano (2018). Dois dos líderes contemporâneos mais polêmicos em suas declarações, principalmente no que diz respeito à questão das armas nucleares, Donald Trump e Kim Jong-um, confirmaram que o diálogo pessoal irá acontecer, ainda que sem data e nem local decididos, por enquanto.

Em pauta do encontro estão, além do compromisso com a desnuclearização, a repatriação de americanos impedidos de deixar a Coreia do Norte e a assinatura de um acordo de paz. Representantes do Governo norte-coreano alegam que esta decisão não foi tomada pela pressão das sanções encorajadas pelos Estados Unidos contra o país socialista. Todavia, para Bruce Bennett, analista da consultoria RAND Corporation, há motivos para acreditar no sucesso das medidas restritivas.

Antes disso, no entanto, as relações bilaterais de Kim Jong-un já lograram êxito no continente asiático. Em sua primeira viagem diplomática desde que assumiu o poder em 2011, o Presidente norte-coreano fez uma visita secreta** à capital da China, Pequim, sua parceira estratégia desde a Guerra da Coreia. Para abril, está confirmado o diálogo do sucessor de Kim Jong Il com o presidente sul-coreano, Moon Jae-In, na mesma cidade em que fora assinado o armistício de 1953 e acordada a participação norte-coreana na Olimpíada de Inverno 2018: a zona desmilitarizada de Panmunjom.

———————————————————————————————–

Notas:

As Coreias permanecem tecnicamente em guerra, pois a Guerra da Coreia de 1950-1953 terminou em um Armistício, e não em um Tratado de Paz.

** O anúncio do encontro foi divulgado somente após o retorno de Kim ao seu país, no dia 26 de março de 2018.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 “Desfile daCoréia Unificada na cerimônia de abertura” (Fonte):

https://www.pyeongchang2018.com/en/photos/Opening%20Ceremony#2018-winter-olympic-games-opening-ceremony-785

Imagem 2 “Norte e sulcoreanos levam a bandeira na cerimônia de abertura dos Jogos” (Fonte):

https://www.pyeongchang2018.com/en/photos/Opening%20Ceremony#2018-winter-olympic-games-opening-ceremony-1103

Imagem 3 “Time unificado de Hockey feminino, em partida contra Suécia” (Fonte):

https://www.pyeongchang2018.com/en/photos/Korea#ice-hockey-winter-olympics-day-3-147

Wilson Mencaroni - Colaborador Voluntário

Pós-graduado em Gestão de Negócios Internacionais pela Business School São Paulo (BSP), Bacharel em Relações Internacionais no Centro Universitário Fundação Santo André - Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas. Bolsista pelo CNPq em 2009 com o projeto de iniciação científica "A Soberania Nacional em face dos Tratados Bilaterais: A Questão do Tratado de Itaipu". Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Atitude e Ideologias Políticas, atuando principalmente nos seguintes temas: integração, direito, democracia, segurança e negociação internacional. Em sua carreira, conquistou o cargo de Gerente de Negócios Internacionais. Está em contato com o comércio exterior, aprofundando seu conhecimento e focando suas habilidades para os procedimentos de importação. Já participou de diversas feiras internacionais, representando sua empresa, tendo a função de estreitar o relacionamento com fornecedores, investidores e clientes estrangeiros, além de trabalhar a marca da empresa e conquistar distribuições em diferentes continentes.

  • 1

Deixe uma resposta