LOADING

Type to search

Governo angolano anuncia reestruturação de principal empresa estatal de petróleo

Share

Em Angola, a semana passada foi marcada por uma completa e final reestruturação dos principais cargos administrativos da Sonangol, empresa estatal do setor de hidrocarbonetos. Entre as principais medidas de remodelação anunciadas pelo presidente José Eduardo dos Santos está a nomeação de sua filha, Isabel dos Santos, ao cargo de Presidente do Conselho Administrativo.

Anunciada na última sexta-feira, dia 3 de junho, como a nova Presidente do Conselho da Sonangol, Isabel dos Santos apontou as principais medidas a serem trabalhadas nessa nova gestão, tendo em vista a atual complicação fiscal que enfrenta o Governo angolano, face à abrupta queda no preço internacional do petróleo. Afirmou: “A preocupação com a redução de custos, bem como o aumento dos lucros e da competitividade, são, hoje, prioridades estratégicas obrigatórias (…). Temos, como empresa, que nos comprometer com uma cultura de fazer mais com menos e de nos focarmos na excelência e em resultados”.

Junto com a sua indicação, o presidente José Eduardo dos Santos também anunciou a exoneração de ampla maioria do Conselho antigo, reestruturando quase por completo os altos cargos administrativos da companhia. Segundo o Governo, tal medida faz parte de um plano global de reestruturação da Sonangol, iniciado em maio, quando o novo regimento definiu que caberá à empresa somente a gestão e controle dos contratos, terceirizando atividades como a pesquisa, a produção e a exploração de petróleo.

No entanto, um grupo de juristas de Luanda tenta barrar a nomeação de Isabel dos Santos ao cargo apontado. Além das acusações relacionadas ao nepotismo exercido pelo Presidente angolano, o grupo afirma que a indicação fere a Lei de Probidade Pública, promulgada em 2010, a qual dispõe das regras gerais para o cumprimento de funções públicas.

A reestruturação da Sonangol coincidiu com a visita de uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Angola. Segundo os veículos de imprensa locais, o encontro entre agentes do Governo e a missão do FMI teve como objetivo negociar um programa de crédito para apoiar a diversificação e complexificação da economia do país, com vistas a reduzir a dependência da exploração de hidrocarbonetos.

———————————————————————————————–                    

Imagem (FonteCommons Wikimedia):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:SONANGOL_KIZUMBA_at_Teesport_-_geograph.org.uk_-_1133305.jpg

Pedro Frizo - Colaborador Voluntário

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.