LOADING

Type to search

Horizontes de Misericórdia no Sínodo para a Família

Share

Decorreu no Vaticano, entre 4 e 25 de outubro, a XIV Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, subordinada ao tema “A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”. De acordo com o significado etimológico, a palavra Sínodo tem origem no vocábulo grego “sýnodos” e significa “fazer juntos o caminho” ou “caminhar juntos”. No dia 15 de setembro de 1965, o Beato Paulo VI apresentou, aos participantes no Concílio Vaticano II, o Motu Próprio Apostolica SollicitudoPreocupação Apostólica –, que instituía o Sínodo como novo instrumento de aconselhamento pontifício[1]. Quando convocado pelo Papa, o Sínodo é uma reunião periódica e consultiva dos Bispos da Igreja Católica (incluindo os das Igrejas Orientais Católicas), destinado a tratar de assuntos relativos à Igreja Universal, que decorre com caráter de colegialidade entre os participantes.

Numa época de profunda crise moral, como é a que estamos vivendo, a família – encarada como comunidade fundamental de fiéis –, em suas diferentes configurações[2], tem constituído o centro de muitas das reflexões da Igreja Católica. Deste modo, teve lugar, entre 5 e 19 de outubro de 2014, no Vaticano, a III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos. Tendo por tema “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”, o Sínodo Extraordinário constituiu a reunião preparatória do Sínodo de 2015 e, no desejo do Papa Francisco, ele se destinou a promover “a reflexão e o caminho da comunidade da Igreja: com a participação responsável do episcopado das diversas partes do mundo[3].

No final dos trabalhos, Francisco decidiu tornar público a Relatio Synodi, o documento com que se encerraram os trabalhos sinodais. Por indicação papal, a Relatio Synodi, publicada com o título A Vocação e a Missão da Família na Igreja e no Mundo Contemporâneo[4], constituiu o lineamenta, isto é, o documento preparatório destinado a encorajar, nas dioceses de todo o mundo, a discussão e o inventário pastoral para o Sínodo de 2015.

A abertura do Sínodo para a Família decorreu na Basílica de São Pedro, na qual, durante a eucaristia concelebrada pelos 270 Padres sinodais, o Papa sublinhou que “o matrimónio não é utopia da adolescência, mas um sonho sem o qual a sua criatura estará condenada à solidão. De fato, o medo de aderir a este projeto paralisa o coração humano[5]. Sem cair na tentação de sucumbir aos desígnios do espírito do tempo, cumpre à Igreja Católica afirmar, aqui e agora, à luz de suas propostas, aquelas que são as verdades de sempre. Neste sentido, lembrou Francisco, “a Igreja é chamada a viver a sua missão na verdade que não se altera segundo as modas passageiras ou as opiniões dominantes[6]. Neste sentido, na linha do anunciado no Evangelho de São João[7], o Papa enfatizou: “A verdade que protege o homem e a humanidade das tentações da auto-referencialidade e de transformar o amor fecundo em egoísmo estéril, a união fiel em ligações temporárias. ‘Sem verdade, a caridade cai no sentimentalismo. O amor torna-se um invólucro vazio, que se pode encher arbitrariamente. É o risco fatal do amor numa cultura sem verdade’ (Bento XVI, Enc. Caritas in veritate, 3)”[8].

No que diz respeito aos católicos divorciados e recasados, os Padres Sinodais enfatizaram a necessidade de haver um discernimento cuidadoso na consideração de que áreas da liturgia, pastoral e institucional da Igreja, podem ser efetuados por aqueles católicos[9]. Se, em alguns países, os divorciados e recasados são inquiridos para se absterem da comunhão mas, também, de ensinarem a catequese e de serem padrinhos ou madrinhas, o Relatório final do Sínodo dos Bispos ao Santo Padre Francisco os encoraja a fazerem um exame de consciência, perguntando-se “como eles se comportaram em relação aos seus filhos quando a união conjugal entrou em crise; se eles se sentiram tentados a se reconciliar; qual é a situação do parceiro abandonado; que consequências tem a nova relação para o resto da família e para a comunidade de fiéis; que exemplo ela oferece aos jovens que devem se preparar para o casamento. Uma reflexão sincera pode reforçar a confiança na misericórdia de Deus, que não é negada a ninguém[10]. Por outro lado, se no Sínodo de 2014 o tópico da homossexualidade constituiu um dos assuntos mais controversos, particularmente no documento final, outro tanto não aconteceu este ano. O tema da homossexualidade foi quase que completamente removido, excetuando o parágrafo que alude ao cuidado pastoral das famílias que vivem com pessoas que têm tendências homossexuais[11].

O documento final do Sínodo também apoia os ensinamentos da Igreja relativamente aos assuntos da vida, nomeadamente aqueles que dizem respeito à contracepção e ao aborto. No parágrafo 33 do Relatório do Sínodo lemos que “a vida humana é sagrada porque, desde seu início, ela envolve ‘a ação criadora de Deus’ e permanece para sempre numa relação especial com o Criador, seu único fim[12]. Conforme os Padres Sinodais, “a revolução biotecnológica no campo da procriação humana introduziu a habilidade de manipular o ato gerador, tornando-o independente da relação sexual entre homem e mulher[13]. Submetendo-se a essa manipulação, “a vida humana e a paternidade se tornaram realidades modulares e separáveis, assunto principalmente das vontades e desejos dos indivíduos ou dos casais, não necessariamente heterossexuais e regularmente casados[14]. Dado que, se para a Igreja Católica, somente “Deus é o Senhor da vida desde seu início ao seu final[15], então, “ninguém, em nenhuma circunstância, pode reivindicar para si próprio o direito de destruir diretamente um ser humano inocente[16].

No discurso conclusivo do Sínodo, proferido no dia 24 de outubro, o Papa Francisco apontou as conclusões da reunião, indicando a misericórdia como sendo o caminho futuro, para a Igreja: “O primeiro dever da Igreja não é aplicar condenações ou anátemas, mas proclamar a misericórdia de Deus, chamar à conversão e conduzir todos os homens à salvação do Senhor[17].

Segundo o Santo Padre, “para a Igreja, encerrar o Sínodo significa voltar realmente a ‘caminhar juntos’ para levar a toda a parte do mundo, a cada diocese, a cada comunidade e a cada situação a luz do Evangelho, o abraço da Igreja e o apoio da misericórdia de Deus[18]. Hoje, cabe à Igreja propor o caminho da compaixão, mais do que apontar os erros e ditar condenações aos que prevaricaram. Neste sentido, no domingo, dia 25, durante a homilia da missa de encerramento do Sínodo para a Família, Francisco salientou que devemos “pôr o homem em contato com a Misericórdia compassiva que salva. Quando o grito da humanidade se torna, como o de Bartimeu, ainda mais forte, não há outra resposta senão adoptar as palavras de Jesus e, sobretudo, imitar o seu coração. As situações de miséria e de conflitos são para Deus ocasiões de misericórdia. Hoje é tempo de misericórdia![19].

Tal como assinalou Elise Harris, da Agência Católica de Notícias, o documento final do Sínodo apoia fortemente os ensinamentos da Igreja, assim como valora positivamente a beleza da vida familiar[20]. Em contrapartida, o Sínodo que acaba de terminar se inscreve num caminho longo, no qual os obstáculos nem sempre estiveram ausentes. Se, por um lado, o debate teológico em torno das propostas sinodais tem sido diferenciado, ao longo de seu meio século de existência, por outro lado, o Sínodo de 2015 se insere no ciclo de abertura eclesial iniciado durante Concílio Vaticano II que, mediante a liberdade e a fidelidade à palavra de Cristo, permitiu que a assembleia tivesse decorrido num clima de perfeita sintonia de ideais.

———————————————————————————————-

Imagem Bispos debateram, no Sínodo, as problemáticas das famílias contemporâneas, com destaque para a situação dos católicos recasados” (Fonte):

http://www.cath.ch/newsf/le-synode-ouvre-au-pape-des-pistes-en-faveur-des-divorces-remaries/

———————————————————————————————-

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.osservatoreromano.va/pt/news/sinodo-e-comunhao

[2] Tendo em vista a nova realidade sociológica das famílias, o mundo contemporâneo concedeu-lhe uma polissemia que nenhuma outra época histórica, anterior à nossa, conheceu. Temos, assim, a família consagrada – aquela que, para os católicos, é inspirada na Sagrada Família, resultando do sacramento do matrimônio –; a família contratualizada – que, sob o ponto de vista jurídico, resulta do casamento civil, celebrado em Cartório –; a família comunitária – na qual todos os adultos que compõem o agregado familiar são responsáveis pela educação das crianças –; a família monoparental – aquela que é composta por um dos progenitores, ou pai, ou mãe, a partir da morte, abandono, divórcio, ou pela decisão de a mulher ter um filho de modo independente – e, ainda, a família homoafetiva – constituída por um casal, ou pessoa sozinha, homossexual, que tenha uma ou mais crianças a seu cargo.

[3] Ver:

http://www.arquidiocesedepassofundo.com.br/site/node/193

[4] Ver:

SÍNODO DOS BISPOS – XIV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA, A Vocação e a Missão da Família na Igreja e no Mundo Contemporâneo – Lineamenta, São Paulo, Paulinas, 2015, 67 (4) págs. Disponível online:

http://www.vatican.va/roman_curia/synod/documents/rc_synod_doc_20141209_lineamenta-xiv-assembly_po.html

[5] Ver:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/homilies/2015/documents/papa-francesco_20151004_omelia-apertura-sinodo-vescovi.html

[6] Ver:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/homilies/2015/documents/papa-francesco_20151004_omelia-apertura-sinodo-vescovi.html

[7] Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”, Jo 8, 32.

[8] Ver:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/homilies/2015/documents/papa-francesco_20151004_omelia-apertura-sinodo-vescovi.html

[9] Ver:

http://www.catholicnewsagency.com/news/final-synod-document-strongly-backs-church-teaching-beauty-of-family-life-37584/

[10] Ver:

http://br.radiovaticana.va/news/2015/10/24/relat%C3%B3rio_final_do_s%C3%ADnodo_em_italiano/1181850

[11] Ver:

http://www.catholicnewsagency.com/news/final-synod-document-strongly-backs-church-teaching-beauty-of-family-life-37584/

[12] Ver:

http://br.radiovaticana.va/news/2015/10/24/relat%C3%B3rio_final_do_s%C3%ADnodo_em_italiano/1181850

[13] Ver:

http://br.radiovaticana.va/news/2015/10/24/relat%C3%B3rio_final_do_s%C3%ADnodo_em_italiano/1181850

[14] Ver:

http://br.radiovaticana.va/news/2015/10/24/relat%C3%B3rio_final_do_s%C3%ADnodo_em_italiano/1181850

[15] Ver:

http://br.radiovaticana.va/news/2015/10/24/relat%C3%B3rio_final_do_s%C3%ADnodo_em_italiano/1181850

[16] Ver:

http://br.radiovaticana.va/news/2015/10/24/relat%C3%B3rio_final_do_s%C3%ADnodo_em_italiano/1181850

Cf., igualmente, SAGRADA CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ, Instrução Donum Vitæ, Introd., 5.

Disponível online:

http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19870222_respect-for-human-life_po.html

Ver Também:

SANTO JOÃO PAULO II, Evangelium Vitæ, 53.

Disponível online:

http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25031995_evangelium-vitae.html

[17] Ver:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/speeches/2015/october/documents/papa-francesco_20151024_sinodo-conclusione-lavori.html

[18] Ver:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/speeches/2015/october/documents/papa-francesco_20151024_sinodo-conclusione-lavori.html

[19] Ver:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/homilies/2015/documents/papa-francesco_20151025_omelia-chiusura-sinodo-vescovi.html

[20] Ver:

http://www.catholicnewsagency.com/news/final-synod-document-strongly-backs-church-teaching-beauty-of-family-life-37584/

J. M. de Barros Dias - Colaborador Voluntário Sênior

É Licenciado em Filosofia pela Universidade do Porto (Portugal) e Doutor em Filosofia pela Universidade de Évora (Portugal). Professor Associado da Universidade de Évora, reside em Curitiba desde início de 2012, onde é Professor na Faculdade São Braz e na Faculdade Inspirar. É autor de doze livros e mais de cem artigos científicos nas áreas da Ética, Filosofia da Educação e Filosofia Social e Política.

  • 1

3 Comments

  1. Andressa, Teologa 17 de fevereiro de 2016

    Estudo teologia a anos e sigo uma linha bastante ortodoxa, por escolha e opiniões moldadas com o tempo. Apesar de não concordar com a religião católica por diversos fatores, inclusive históricos, acompanho seus movimentos. Me admiro com o Papa Francisco, pelo homem que é e por suas atitudes. Mais uma vez concordo com sua postura e me ponho a enxergar novos caminhos sendo traçados pelas suas obras.
    Obrigada pelo ótimo artigo e pelas referências.

    Responder
  2. Maquiagem Perfeita 21 de fevereiro de 2016

    Muito bom, gostei bastante sobre tudo! espero que continue com coisas interessante desse tipo!

    Responder

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!