LOADING

Type to search

Indicadores passados e expectativas futuras: PIB, turismo e corrupção

Share

O Kenya National Bureau of Statistics (KNBS) lançou no último dia 29 de abril, quarta-feira passada, o relatório com os indicadores oficias de 2014 e o planejamento econômico e financeiro do país para 2015. Confirmando expectativas, o Produto Interno Bruto (PIB) queniano apresentou uma queda, em relação ao valor de 2013, resultante da queda no número de turistas estrangeiros no país e pelo baixo resultado do setor de manufaturas. Em 2013, a economia cresceu 5,7%, enquanto que, em 2014, este crescimento foi de 5,3%. Tanzânia e Ruanda, países vizinhos ao Quênia, cresceram 7,2% e 6,0%, respectivamente, superior ao registrado pela maior economia do Leste Africano.

Em relação aos setores responsabilizados pela ligeira queda, o número de turistas internacionais caiu de 1,5 milhão em 2013 para 1,3 milhão em 2014, uma queda de 11,1% no volume e de 7,3% na renda gerada no setor. Esta inclinação tem sido pior devido ao aumento no custo de vida no país. De acordo com as estatísticas lançadas, o custo subiu de 5,7% para 6,9% de 2013 para 2014.

Entre as principais causas na queda no número de turistas, destacam-se os ataques dos militantes do al Shabaab, o marketing realizado pelas agências de viagens sobre os perigos e o medo com a propagação do Ebola. A expectativa do Governo para de 2015 é de um crescimento de aproximadamente 6,9%, mesmo diante dos ataques do grupo terrorista.

Entre outros indicadores importantes, ressaltam-se: 1) O aumento do déficit na balança comercial, com uma variação de 18,7% em 2014; 2) O declínio no número de pessoas que reportaram crimes cometidos (3,7%) e no número de crimes reportados para a polícia (3,4%); 3) o aumento no número de casos manipulados pela comissão anticorrupção (19,4%).

O KNBS tem produzido o Economic Survey, desde 1960. Os dados usados são compilados através de censos, questionários, boletins estatísticos e dados administrativos. O relatório traz informações sobre orçamento, planejamento, monitoramento e formulação de políticas.

————————————————————————————-

Imagem (Fonte):

http://www.tintin.co.ke/clients/knbs.jpg

————————————————————————————-

Fontes Consultadas:

Ver:

https://www.standardmedia.co.ke/article/2000160485/kenya-registers-second-worst-economic-growth-in-five-years

Ver:

http://www.reuters.com/article/2015/04/29/kenya-economy-idUSL5N0XQ33S20150429

Pedro Frizo - Colaborador Voluntário

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!