LOADING

Type to search

[:pt]“Internet+”, o programa de digitalização da economia chinesa[:]

Share

[:pt]

O Governo chinês implementou o Internet+”, programa de desenvolvimento, por meio da integração de tecnologia da informação às atividades manufatureiras. Na prática, é uma ordem de inclinação estratégica da economia da China para serviços com a Internet como peça-chave do crescimento.

Também conhecido como “Internet Plus”, é a aplicação da Internet e outras tecnologias da informação às indústrias convencionais, para completar a equação onde a Internet móvel, a computação em nuvem, o big data e a Internet das Coisas (IoT) serão integradas às demais indústrias para o desenvolvimento de negócios na China. Em suma, a robotização e a digitalização para a promoção do crescimento econômico. Analistas dão conta que isso significa impressoras 3D de tecnologia-de-ponta.

A China quer redesenhar seu parque industrial para incliná-lo mais para uma economia criativa de produção de design e serviços, ao invés de ser simplesmente reprodutiva de manufaturas de outros países. É uma inclinação estratégia de serviços, mais coerente com o fenômeno da digitalização dos meios de produção, onde muitas empresas líderes mundiais não produzem absolutamente nada tangível, senão informação ou conexão entre produtores e consumidores por meio da Internet, como Google, Facebook, Alibaba, Uber, AirBNB etc. É a ampliação da economia em áreas como turismo, pensão, saúde, educação etc. Menos poluente, a economia de serviços dependeria menos de petróleo e infraestrutura de transportes e provou catapultar a economia de vários países, dentre eles, Israel, Alemanha e Singapura.

Um dos Atores fundamentais dessa nova economia chinesa é uma mulher: Xiaojing Huang. Ela é diretora de estratégica do Yang Design e fundadora do Design Strategy Institution. Tem formação em Design de Produtos na Academia de Belas Artes de Guangzhou e design da experiência, pela Universidade de Design Kunsthochschule Berlin-Weissensee da Alemanha, uma parceira estratégica da China, conforme foi apresentado em outra Nota Analítica de minha autoria, publicada pelo CEIRI NEWSPAPER.

Com uma vasta lista de clientes de consultoria em design e estratégia de negócios na China, Xiaojing Huang passou a ser paradigma dessa tendência depois que publicou os premiados relatórios “China Design Trends”; “Lifestyle Aesthetic Business Trend”; “China Home Trend” e “China Sub-culture Lifestyle” (“Tendências de Design na China”, “Tendências de Estilo de Vida, Estética e Negócios”, “Tendência Domésticas na China”, “Subcultura e Estilo-de-vida na China”, respectivamente, em tradução livre) e ministrou palestra na conferência internacional ZOOM Smart Cities sobre cidades inteligentes em Lisboa, Portugal.

———————————————————————————————–

Imagem (Fonte):

http://www.zoomsmartcities.com/2016/02/19/internet-e-peca-chave-na-estrategia-chinesa/ 

[:]

Marcelo de Montalvão - Colaborador Voluntário

Graduado em Direito (2000) pela Universidade da Amazônia, é diretor da Montax – Inteligência & Investigações e autor de Inteligência & Indústria – Espionagem e Contraespionagem Corporativa. Pesquisa Marketing de serviços, Guerra Econômica, Economia Política e áreas afins. Como Advogado criminalista, tem foco em ações antilavagem de dinheiro para Recuperação de ativos desviados de fraudes.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.