LOADING

Type to search

Maduro pode perder o poder com crescimento da oposição dentro chavismo

Share

O presidente venezuelano Nicolás Maduro vem enfrentado o contínuo crescimento da oposição dentro do chavismo. Recentemente ocorreu o seminário organizado pelo grupo denominado Maré Socialista com o objetivo de observar “os problemas e desvios do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV)[1] e apresentar “propostas de governo para superar a crise[1].

Estas percepções e posições vem se alastrando e contando com a adesão de grandes lideranças bolivarianas, como Jorge Giordani (ex-ministro da Planificação), Héctor Navarro (ex-ministro da Educação) e Ana Elisa Osorio (vice-presidente do Parlamento Latino-americano na Venezuela) que também estiveram presentes neste seminário e vem criticando o Presidente abertamente, gerando reações intensas por parte do Mandatário.

Militantes chavistas que desgostam do Governo Maduro já começam a ter número expressivo, ao ponto de observadores considerarem que chega a ser maioria, tanto que o grupo do Maré Socialista, que se espalha por todo o país, está pensando em disputar as eleições legislativas do próximo ano de forma independente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Esses militantes de esquerda veem as ações de Maduro como desvios da herança revolucionária bolivariana e como incapazes de resolver a crise econômica pela qual o país passa.

Ademais, criticam-no por sua recusa ao diálogo e, por isso, manifestam o desejo ao retorno do que consideram ter sido uma democracia participativa na época de Hugo Chávez. Segundo foi divulgado na imprensa, durante o Seminário, ocorreu um apagão, o que foi visto pelos presentes e pelos críticos como uma sabotagem, algo que vem unindo ainda mais este grupo de descontentes.

As reações do Governante tem sido rígidas e de enquadramento do que considera dissidentes, tanto que recentemente criou o “disque denúncia” interno no PSUV, para que militantes entreguem aqueles membros que se mostrem desviantes da revolução bolivariana, de forma que a mecanismo criado assustou a  sociedade, já que sua estrutura poderá ser usada tanto para delação de militantes (algo por si já reprovável) como para a perseguição política geral de qualquer opositor.

Gestos como estes vem desgostando personalidades, militantes e cidadãos em todos o segmentos, também dentro das Forças Armadas que desejam a volta de uma liderança militar à Presidência da República Venezuelana. Diosdado Cabello, ex-militar e  atual Presidente da Assembleia Nacional Bolivariana, por exemplo, se apresenta como um dos principais concorrentes de Maduro desde que este se tornou o herdeiro de Chávez, pois acreditava que seria o escolhido ex-Presidente, que o preteriu por, supostamente, ter seguido orientação cubana.

Diante do quadro, acreditam os analistas que existe a possibilidade de as Eleições Legislativas de 2015 serem antecipadas para o primeiro semestre, com o objetivo de permitir que o PSUV, cuja liderança de Maduro foi preservada nas eleições internas ocorridas neste ano (2014), preserve a maioria na casa legislativa e garanta, assim, uma relativa força ao Mandatário, algo que poderá trazer-lhe esperanças de não perder o cargo presidencial do país, possibilidade que vem crescendo cada vez mais.

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

wikipedia

—————————————————————————

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://br.bukvar.mk/news/?newsid=0gP

Ver Ainda (Vídeo):

http://globotv.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/v/popularidade-de-nicolas-maduro-vem-caindo-desde-a-morte-de-hugo-chavez/3787143/

—————————————————————————

Ver também:

http://www.elpropio.com/actualidad/ciudad/reacciono-Nicolas-Maduro-elecciones-PSUV_0_634736556.html

Ver também:

http://www.vtv.gob.ve/articulos/2014/11/24/presidente-nicolas-maduro-felicito-a-los-nuevos-lideres-del-psuv-electos-este-fin-de-semana-8957.html

Ver também:

http://www.teinteresa.es/mundo/Maduro-elecciones-PSUV-preludio-victorias_0_1254476451.html

Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.