LOADING

Type to search

Share

Desde o desaparecimento do “Voo 370” da “Malaysia Airlines”, muitas autoridades asiáticas cobram esclarecimentos ainda não adequadamente apresentados pelo “Governo da Malásia”. O desafio de encontrar os restos da aeronave e tentar explicar o que possa ter acontecido está deixando todo o mundo confuso, mesmo que estejam sendo usados equipamentos com os mais altos desenvolvimentos em tecnologia para buscas.

Para a China, o caso do voo ainda é pior, pois muitos familiares de chineses estavam na aeronave e, até o momento, nenhuma declaração do “Governo da Malásia” agradou Beijing. A China tomou a iniciativa de desviar seus satélites, disponibilizando seus recursos para a busca do avião e, assim, tentar informar seu povo com dados mais precisos, amenizando seus sofrimentos.

Nestes últimos dias, o navio chinês “Haixun 01” recebeu um sinal com origem no “Oceano Índico” com uma frequência que pode ser a do avião desaparecido, porém ainda não foi confirmada. Esta embarcação e outras unidades chinesas estão se deslocando à região da origem do sinal para investigação.

Enquanto não se confirmam os sinais e nem as causas do desaparecimento da aeronave, o turismo China-Malásia está sendo afetado, havendo total boicote à companhia da Malásia. Apoiando a revolta das pessoas na “China Continental”, todas as empresas chinesas de turismo estão boicotando as empresas do país do sudeste asiático e o principal motivo alegado para tal é o tratamento do “Governo da Malásia” dado para os parentes das vítimas do “Voo 370”.

Expressando bem a linha que esta sendo adotada por todos, o site eLong manifestou: “Nós continuaremos a banir indefinidamente [a companhia] até que o governo malásio e a Malaysia Airlines divulguem toda a informação que eles possuem para que nós possamos descobrir a verdade sobre o voo desaparecido o mais rápido possível[1].

Oficialmente, ambos Governos não se pronunciaram oficialmente sobre o boicote, mas o Governo chinês já expressou várias repulsas ao tratamento dado pelas autoridades da Malásia.

————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/agencias-de-turismo-na-china-boicotam-malaysia-airlines

————————

Ver também:

http://portuguese.cri.cn/1721/2014/04/05/1s182080.htm

Fabricio Bomjardim - Analista CEIRI - MTB: 0067912SP

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. Atualmente é membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!