LOADING

Type to search

Massacre de Cristãos e Yazidis pelo Estado Islâmico

Share

O Estado Islâmico, organização insurgente iraquiana[1], está promovendo o massacre de cristãos e de minorias religiosas. Os yazidis, por exemplo, são uma minoria religiosa antiga com ligações ao zoroastrismo[2], de língua curda, que resistiu ao Islã durante muitos séculos e, hoje, juntamente com os cristãos, se tornou alvo dos militantes do Estado Islâmico.

Centenas de yazidisjá foram mortos e muitas mulheres com menos de 35 anos foram feitas escravas[3] para, posteriormente, serem vendidas ou serem obrigadas a se casar com combatentes sunitas[4]. A situação dos cristãos e das demais minorias religiosas tornou-se preocupante do ponto de vista humano, tendo as atuais circunstâncias mobilizado vários países no sentido de se tentar evitar um genocídio naquele país do Oriente Médio.

Ante o agravamento da violência no Iraque, o Presidente dos EUA, Barack Obama, autorizou o bombardeamento de posições estratégicas do Estado Islâmico[5], conforme apresentado em nota de Sophia Zaia no CEIRI NEWSPAPER[6]. A Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Catherine Ashton, falou em nome dos países do Bloco e condenou os últimos acontecimentos no Iraque, mostrando-se preocupada com as ações desencadeadas pelos insurgentes sunitas em relação às minorias religiosas locais. Ashton declarou: “Estamos consternados com a rápida deterioração da situação humanitária, com centenas de milhares de civis, principalmente de minorias, fugindo das zonas de conflito como resultado de perseguição e de violação dos direitos humanos básicos. Alguns desses atos podem constituir crimes contra a humanidade e devem ser investigados rapidamente, de modo que os seus autores sejam responsabilizados[7].

Os cristãos estão sendo forçados a fugir. Na última quinta-feira, 7 de agosto, aproximadamente 100.000 pessoas abandonaram a cidade de Qaraqosh, de maioria cristã[8]. Várias autoridades mundiais, incluindo o Papa Francisco, têm chamado a atenção para os últimos acontecimentos. Contudo, nada tem sido suficiente para conter os fatos que envolvem a perseguição e a morte de centenas de pessoas.

Segundo Mohammed al-Sudani Shia, Ministro dos Direitos Humanos Iraquiano, os insurgentes sunitas ofereceram duas opções aos não muçulmanos: se converterem ao islã ou morrerem. Em entrevista, al-Sudani disse que as informações sobre os assassinatos foram adquiridas junto às pessoas que conseguiram fugir da cidade de Sinjar, antigo lar dos yazidis[9].

Al-Sudani também procurou esclarecer a real situação das minorias no Iraque antes de denunciar os últimos episódios. De acordo com o Ministro dos Direitos Humanos, “temos provas marcantes obtidas através dos yazidisque fugiram de Sinjare de alguns que escaparam da morte, e também as imagens da cena do crime que mostram indiscutivelmente que as gangues do Estado Islâmico executaram pelo menos 500 yazidisapós tomar Sinjar. Algumas das vítimas, incluindo mulheres e crianças, foram enterradas vivas em valas comuns espalhadas ao redor de Sinjar[10].

A lendária montanha de Sinjaronde, segundo os relatos histórico-religiosos, atracou a Arca de Noé[11] é, atualmente, o refúgio de centenas de iraquianos. A aridez da montanha agrava ainda mais as condições de sobrevivência das pessoas que se encontram desidratadas e fisicamente debilitadas pela falta de alimentos. Uma catástrofe humanitária se aproxima se o Estado Islâmico não for contido numa altura em que o Iraque parece esfacelar-se enquanto Estado, ante as forças políticas opostas que se digladiam sem misericórdia.

—————————————————————————

Imagem Famílias yazidi fogem de extremistas do Estado Islâmico” (Fonte):

http://www.thetimes.co.uk/tto/multimedia/archive/00748/160217744_yezidi_748409b.jpg

—————————————————————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://jornal.ceiri.com.br/o-estado-islamico-proclama-o-califado-e-coloca-o-oriente-medio-sob-alerta/

[2] Ver:

http://actualidad.rt.com/actualidad/view/136574-estado-islamico-amenaza-ejecutar-familias-irak

[3] Ver:

http://www.haaretz.com/news/world/1.609847

[4] Ver:

http://www.haaretz.com/news/middle-east/1.609632

[5] Ver:

http://www.haaretz.com/news/world/1.609847

[6] Ver:

http://jornal.ceiri.com.br/presidente-dos-eua-autoriza-ataques-aereos-contra-militantes-do-isis-no-iraque 

[7] Ver:

https://now.mmedia.me/lb/en/mena/559681-eu-violence-in-iraq-could-constitute-crimes-against-humanity

[8] Ver:

https://now.mmedia.me/lb/en/mena/559681-eu-violence-in-iraq-could-constitute-crimes-against-humanity

[9] Ver:

http://www.haaretz.com/news/world/1.609847

[10] Ver:

http://www.haaretz.com/news/world/1.609847

[11] Ver:

https://now.mmedia.me/lb/en/mena/559683-us-strikes-spur-kurds-in-fight-with-jihadists

Marli Barros Dias - Colaboradora Voluntária Sênior

Possui graduação em Filosofia (bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal do Paraná (1999), com revalidação pela Universidade de Évora (2007), e mestrado em Sociologia (Poder e Sistemas Políticos) pela Universidade de Évora (2010). É doutoranda em Teoria Jurídico-Política e Relações Internacionais (Universidade de Évora). É professora da Faculdade São Braz (Curitiba), pesquisadora especialista do CEFi – Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa), e pareceirista do CEIRI Newspaper (São Paulo).

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!