LOADING

Type to search

Merkel dá início à agenda de viagens para campanha eleitoral

Share

Faltando apenas seis semanas para as eleições presidenciais na Alemanha, que ocorrerão em 24 de setembro de 2017, a chanceler Angela Merkel deu início à agenda de viagens pelo país para fins de campanha. O ponto de partida foi a cidade industrial de Dortmund, localizada no Estado da Renânia do Norte-Vestfália. Na ocasião, o discurso ao eleitorado chamou atenção para a promessa de se alcançar pleno emprego até 2025 e endereçou críticas às empresas produtoras de automóveis no país, pela tentativa de manipularem os índices de CO2 para que os seus veículos pareçam mais sustentáveis do ponto de vista ecológico. 

Nível de satisfação alemã com os políticos

Enquanto as eleições recentes, como as que ocorreram nos Estados Unidos e França, chamaram a atenção de todo o mundo pela imprevisibilidade e alto teor ideológico e polarização do discurso, a corrida eleitoral alemã se apresenta como um ponto fora da curva. De acordo com o instituto de análises e pesquisas Infratest Dimap, Merkel, do Partido União Democrata Cristã (CDU) segue na liderança com 39 por cento das intenções de voto, obtendo 15 pontos percentuais à frente do seu principal opositor, Martin Schulz, pertencente ao Partido Social Democrata (SPD). Além disso, 64 por cento do eleitorado se declarou muito satisfeito com o governo da atual Chanceler.

A ausência de polarização na campanha e a elevada probabilidade de vitória do CDU podem ser explicadas por uma série de fatores, dentre eles se destacam os índices de crescimento no país, em que a economia apresenta solidez e a taxa de desemprego é baixa. Além disso, de uma perspectiva política, há uma coalizão entre os diferentes grupos políticos para atingir o consenso em temas sensíveis como imigração e segurança, bem como um acordo entre os principais partidos para se evitar conflitos diretos.

Deve-se ressaltar que o resultado das eleições na Alemanha será certamente de grande influência para as relações europeias com os Estados Unidos, China, Rússia e Turquia, assim como para as tentativas de estabilização da zona do euro.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1Merkel durante campanha em Dortmund” (Fonte):

http://www.gettyimages.com/license/830676828

Imagem 2Nível de satisfação alemã com os políticos” (Fonte): 

https://www.infratest-dimap.de/typo3temp/_processed_/2/2/csm_Folie1_90_a51b08d835.png

Fábio Lopes de Sousa - Colaborador Voluntário

Bacharel em Relações Internacionais pelo IESB Centro Universitário de Brasília, tendo cursado parte da graduação na Universidad Autónoma de Guadalajara, México. Interessa-se excepcionalmente por Economia Política Internacional, Cooperação Internacional e Oriente Médio. Atua profissionalmente na Assessoria Internacional do Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.