LOADING

Type to search

[:pt]Movimento Popular de Libertação de Angola prestes a conhecer novo líder[:]

Share

[:pt]

É possível que o líder político africano mais emblemático da atualidade, José Eduardo dos Santos, esteja prestes a abandonar o posto mais alto do Governo angolano, após 37 anos de mandato. Ainda que no evento do 60° aniversário do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), no último sábado (dia 10 de dezembro), a sua aposentadoria não tenha sido oficialmente declarada, ao que tudo indica, parece que, de fato, João Lourenço, de 62 anos, atual Ministro da Defesa, será o nome para liderar o Partido nas próximas eleições.

Ex-guerrilheiro, Lourenço provavelmente comporá junto com Bornito de Sousa, atual Ministro de Administração do Território de Angola, a chapa do Partido para as eleições gerais do ano que vem (2017). Fontes locais afirmam que Lourenço e Sousa são os principais políticos de confiança do atual Presidente: “ambos são puros produtos do partido, o qual ainda está sob controle dele [de Dos Santos]”, afirmou Benjamim Auge, do Instituto Francês de Relações Internacionais.

A Presidência de Dos Santos sempre foi alvo de muitas controvérsias entre agentes da mídia e da sociedade civil angolana, bem como da comunidade internacional. Não somente o longo mandato gerou insatisfações entre estes atores, mas também a nomeação de parentes de Dos Santos a uma série de altos cargos públicos e a restrição aos direitos de expressão e mobilização. Nesta semana, por exemplo, o jornal francês Le Monde divulgou escutas telefônicas do Serviço Secreto Britânico feito ao Presidente angolano em 2009, fato que reitera a vigilância apurada sobre Dos Santos por parte de organismos internacionais.

Pressões internas ao Partido também podem sustentar a substituição. Fontes locais relatam que parte do MPLA está descontente com a atuação de Isabel dos Santos, filha do Presidente, na presidência da Sonangol desde junho passado. Este ano (2016) será a primeira vez que a empresa, imersa em um profundo intento de contenção de gastos e de reestruturação de dívidas, não transferirá dividendos aos cofres públicos angolanos. Soma-se a isso que segmento do Partido desconfia da integridade física de Dos Santos em levar a cabo outro mandato presidencial, já que, hoje, ele está com 74 anos.

Do outro lado, despontam pressões econômicas em Angola, as quais podem acelerar o processo de escolha de um novo líder ao MPLA. A atual queda no preço internacional do petróleo reduziu drasticamente o fluxo de divisas ao país, desacelerando o ritmo de crescimento econômico. Em contrapartida, a desvalorização cambial – a qual soma pouco mais de 30% de desvalorização da taxa cambial, se comparada ao mesmo período do ano passado (2015) – trouxe pressões inflacionárias e dificuldades financeiras à Sonangol, principal companhia do país, em arcar com suas dívidas internacionais contraídas em dólares.

Pressões econômicas e políticas à parte, é fato que Dos Santos segurou-se no poder por quase 40 anos, demonstrando resiliência política frente a questões sensíveis, como a guerra civil que assolou o país por muitos anos. Durante o seu governo, a sociedade angolana presenciou uma série de transformações econômicas, políticas e sociais, as quais repaginaram por completo a configuração das instituições de Angola. No entanto, caberá aos livros de história do futuro avaliarem se foram positivas ou negativas tais transformações.

———————————————————————————————–                    

ImagemMinistro da Defesa Nacional, João Lourenço” (FonteAgência Angola Press):

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/politica/2015/0/4/Angola-Ministro-Defesa-dialoga-com-delegado-Uniao-Europeia,f8b48f51-d7e8-42de-80ef-cffc344058bf.html

[:]

Pedro Frizo - Colaborador Voluntário

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!