LOADING

Type to search

O avanço do Estado Islâmico em território líbio

Share

O Estado Islâmico tem conseguido avançar significativamente na Líbia e, assim, alterado o foco da atenção das potências ocidentais quanto à ameaça islâmica, que deixou de estar centrada no Iraque e na Síria. Na medida em que a expansão dos insurgentes de Abu Bakr al-Baghdadi no território líbio cresce substancialmente, isto tem se transformado numa questão de Segurança Nacional para o Ocidente. Aproveitando-se do vazio de poder na Líbia após a morte de Muammar al-Gaddafi, em 20 de outubro de 2011, e na sequência das disputas internas entre grupos rivais, os militantes islâmicos encontraram terreno fértil para alargar as suas posições para além do Oriente Médio.

Hoje, Sirte, o berço de al-Gaddafi, é, também, o espaço estratégico de Abu Bakr al-Baghdadi. A localização daquela cidade costeira permite ao Estado Islâmico levar a cabo a infiltração de forças suas na Europa, África Subsaariana e no Magrebe. Atualmente, os radicais islâmicos controlam uma área de aproximadamente 200 Km ao redor de Sirte, estimando-se que, nos últimos 12 a 18 meses, a quantidade de combatentes tenha dobrado, contando hoje com aproximadamente 6.000 homens, com o comando estabelecido na Síria e no Iraque. O general David Rodriguez, Chefe do Comando dos EUA para a África (AFRICOM), afirmou que os insurgentes do Estado Islâmico na Líbia tencionam atacar a Europa e os EUA, pois Sirte está localizada a apenas algumas centenas de Quilômetros, através do Mar Mediterrâneo, das cidades costeiras da Europa.

As milícias líbias têm contribuído para inibir a expansão do Estado Islâmico, mas expulsá-lo do território ainda é um desafio. A Líbia está fragmentada e tem enfrentado dificuldades de governabilidade por parte do Governo de Unidade recentemente formado. Ante mais um problema que envolve a presença do Estado Islâmico, cabe a Fayez al-Sarraj, o novo Primeiro-Ministro líbio, dar sustentação ao Governo de Unidade e oferecer garantias para a estabilidade e pacificação do país. Isto vai exigir do novo dirigente líbio a adequação da administração a um propósito de união entre as diferentes facções de seu país para, estrategicamente, liderar a libertação de Sirte, hoje sob o domínio dos fundamentalistas, eliminando a ameaça externa a partir dos radicais.

De acordo com informações, os veteranos e os ex-Comandantes de al-Gaddafi estão retornando à Líbia para lutarem contra os combatentes de al-Baghdadi. Porém, segundo informações, há uma questão preocupante, que é o fato de as facções líbias estarem competindo entre si, ao invés de desenvolverem um trabalho coordenado para a expulsão do Estado Islâmico. O Governo enfatizou que “a ausência de uma liderança unificada” poderá provocar um “confronto entre as Forças Armadas”. Guma el-Gamaty, um político líbio, advertiu: “As pessoas estão preocupadas com o fato de que, se a operação de Sirte não for tratada corretamente, então isso poderá ser o início de Guerra Civil em grande escala”.

Na última sexta-feira, 6 de maio, o Governo de Unidade da Líbia anunciou a formação de uma força-tarefa militar contra a ameaça do Estado Islâmico. Os EUA, o Reino Unido, a França e a Itália já anunciaram que vão considerar uma possível intervenção militar na Líbia contra o Estado Islâmico se “o Governo de Unidade Nacional constituir uma força militar centralizada”. Para que isto aconteça, será necessária a superação das divergências entre as distintas milícias, num esforço conjunto em nome do objetivo comum. Neste contexto, o Estado Islâmico representa parte de um problema mais amplo que está ligado ao colapso e à fragmentação dos Estados pós-coloniais, anteriormente centralizados, nos quais o esfacelamento das instituições favoreceu a entrada em cena dos grupos radicais. Neste sentido, a Líbia não é o último, mas mais um território de que o Estado Islâmico se apropriou para garantir, em termos estratégicos e econômicos, os objetivos do Califado, instaurando o terror no seio da população local.       

———————————————————————————————–

ImagemCombatentes da milícia Amanhecer da Líbia disparam tiros de canhão contra militantes do Estado Islâmico nos arredores de Sirte, Líbia (19 de março de 2015)”  (Fonte):

https://timedotcom.files.wordpress.com/2015/08/libya-sirte-fight-against-isis-2.jpg?quality=75&strip=color&w=1100

Marli Barros Dias - Colaboradora Voluntária Sênior

Possui graduação em Filosofia (bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal do Paraná (1999), com revalidação pela Universidade de Évora (2007), e mestrado em Sociologia (Poder e Sistemas Políticos) pela Universidade de Évora (2010). É doutoranda em Teoria Jurídico-Política e Relações Internacionais (Universidade de Évora). É professora da Faculdade São Braz (Curitiba), pesquisadora especialista do CEFi – Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa), e pareceirista do CEIRI Newspaper (São Paulo).

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.