LOADING

Type to search

O mau momento da Presidente do Chile, Michelle Bachelet

Share

A lua de mel entre a presidente Michelle Bachelet e a população chilena parece ter chegado ao fim. Segundo o site do jornal Folha de São Paulo, o principal motivo desse abalo são os escândalos envolvendo membro de sua família, além da desaceleração da economia chinesa, que afetou o Chile diretamente, e a consequente queda dos preços do cobre, que responde por 50% das exportações do país.

Conforme publicação do site da Globo, a nora de Bachelet, Natalia Compagnon, está sendo investigada sobre supostos crimes fiscais, como declarações de renda falsas e emissão de notas fiscais fraudulentas. A Presidente, apesar de não ter sido acusada de qualquer delito, apresentou-se voluntariamente para depor sobre o caso, o que vem gerando descontentamento entre os chilenos.

Segundo o site do jornal O Estado de São Paulo, de acordo com um relatório da Fitch, a agência de classificação de risco mostra que, em caso de um “pouso forçado” da economia chinesa, os exportadores de commodities da América Latina seriam bastante afetados, dada a extensão dos laços com o gigante asiático. O mais afetado deles seria o Chile, país mais exposto à China na região.

Michelle Bachelet foi a primeira mulher a assumir a Presidência da República do Chile e, no ano em que comemora 10 anos da posse no primeiro de seus dois mandatos (um de 2006 a 2010 e o outro a partir de 2011 – o atual), a Mandatária parece viver um problema que muitos presidentes latino-americanos vem sofrendo: a queda da popularidade, crise econômica e denúncias de corrupção, consoante publicação do site Sputnik News. Recente pesquisa do Instituto Adimark revela que a desaprovação dos chilenos à presidente chega a 70% dos entrevistados.

O clima no Chile anda tenso. Segundo ainda o jornal o Globo, pelo menos 30 estudantes secundaristas chilenos disfarçados de turistas aproveitaram uma falha na segurança e invadiram o Palácio de La Moneda, em Santiago, capital do país, para protestar contra a lentidão com que Michelle Bachelet vem conduzindo a reforma educacional, uma de suas promessas de campanha.

No último sábado, dia 28 de maio, data em que a Presidente do Chile fez seu discurso anual de prestação de contas perante o Congresso, houve violentos protestos por parte da população em Valparaíso, cidade-sede do Governo. Apesar de o protesto ter começado pacífico, foram relatados atos de violência por parte dos manifestantes, de acordo com publicação do site Jornal do Comércio.

De acordo com o cientista político Fernando Garcia Naddaf, da Universidade Diego Portales, na publicação do Jornal Folha de São Paulo, “para a eleição presidencial (em 2017) estamos ainda sem perspectiva, temos dois ex-presidentes postulando-se, Ricardo Lagos e Sebástian Piñera. Opções velhas”. Ao que tudo indica, Bachelet precisa tomar uma rápida providência a fim de recuperar sua governabilidade e restaurar a confiança do povo chileno para que possa finalizar o seu mandato de forma pacífica e positiva.

———————————————————————————————–

Imagem (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Michelle_Bachelet

Jamile Calheiros - Colaboradora Voluntária

Bacharel em Relações Internacionais e Direito, com especializações em Direito Público Municipal e em Política e Estratégia. Aluna especial no Mestrado Acadêmico em Administração pela UFBa. Possui experiência na área jurídica adquirida em estágios em escritórios de advocacia, Petrobrás, Assembléia Legislativa e Câmara dos Deputados. Tem experiência internacional, em Dublin – Irlanda. Diretora Institucional da BBOSS. Voluntária [email protected] - Project Management Institute – Capítulo Bahia, Diretoria de Alianças e parcerias desde Agosto de 2015.

  • 1

Deixe uma resposta