LOADING

Type to search

Share

[:pt]

Conforme foi divulgado na mídia internacional, é maior que o calculado inicialmente o esquema de atuação pelo mundo da empresa Odebrecht, uma das principais empreiteiras do Brasil. A cada dia é “descoberto” um novo caso ilegal ou que desrespeita princípios morais nos países em que ela atuou. A última “novidade” foi ter financiado o grupo guerrilheiro Forças Armadas Revolucionarias de Colômbia (FARC) durante vinte anos, com uma quantia que variava de US$ 50 mil a US$ 100 mil dólares por mês, tendo os aportes de recursos sido iniciados no ano de 1990.

O objetivo era pagar uma espécie de “pedágio”, ou seja, obter uma “permissão” do grupo guerrilheiro colombiano para que pudesse atuar nos territórios sob o seu domínio. Tal atitude não tem previsão em lei, entretanto, não se pode afirmar que era uma atividade lícita, já que esse patrocínio servia para sustentar as atividades do grupo narco-guerrilheiro, que tem sido identificado por governos de países e organismos internacionais como responsável por espalhar o terror e matar dezenas de pessoas em toda a Colômbia, durante várias décadas.

Segundo anunciado, o relacionamento entre as FARC e a empreiteira brasileira começou nos anos 1990, quando os guerrilheiros sequestraram dois de seus executivos. Especialistas americanos em resolução de conflitos que assumiram o caso aconselharam a empresa a pagar certa quantia em dinheiro, em troca de permissão para trabalhar nas regiões comandadas pelas FARC, evitando, assim, outros problemas.

No “pacote” de delações que a Odebrecht vem submetendo à Justiça brasileira, foi admitido que ela entregou 11,2 milhões de dólares (aproximadamente, 34,9 milhões de reais) na Colômbia em apenas cinco anos, entre 2009 e 2014. Complementarmente a isso, foi informado por um ex-Senador colombiano à Procuradoria Geral, que uma parte do dinheiro, 1 milhão de dólares (em torno de 3,1 milhões de reais), teria sido destinada à última campanha eleitoral do atual Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, em 2014. O mesmo ex-Senador, contundo, tratou de negar essa versão, mas, no entanto, seu depoimento reforça a suspeita do pagamento reiterado as FARC.

As obras na Colômbia realizadas pela Odebrecht que precisaram da “anuência” do grupo guerrilheiro foram à rodovia Ruta del Sol, uma estrada de mais de 800 quilômetros, unindo a região central da Colômbia até à costa do Caribe; e o projeto de navegabilidade do Rio Magdalena, o principal rio da Colômbia. Por conta dos casos de corrupção em que a empresa está envolvida, a Justiça colombiana determinou o encerramento do contrato.

A Odebrecht nega veementemente a informação publicada pela Revista Veja e, em nota, foi divulgado que “…desmente [o que lhe foi acusado] e confirma que a afirmação da Veja, segundo a qual a empresa teria realizado pagamentos a um grupo guerrilheiro colombiano, é uma especulação”. Já os líderes da guerrilha ainda não se pronunciaram sobre o caso. O “manto” da Odebrecht ainda está se descortinando e, pelo teor das informações divulgadas, tudo indica que a lista de irregularidades, ilegalidades e desvios no cenário internacional tende a aumentar.

———————————————————————————————–

Imagem 1 Polícia Federal ao chegar na sede da Construtora Odebrecht, uma das empresas envolvidas no esquema, durante as atividades da Operação Acarajé, 23ª fase da Operação Lava Jato” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Opera%C3%A7%C3%A3o_Lava_Jato

Imagem 2 Bandeira das FARC” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Forças_Armadas_Revolucionárias_da_Colômbia

Imagem 3 Construção de Pontes da Rota do Sol (Ruta del Sol) ” (Fonte):

https://es.wikipedia.org/wiki/Ruta_del_Sol_(Colombia)

[:]

Jamile Calheiros - Colaboradora Voluntária

Bacharel em Relações Internacionais e Direito, com especializações em Direito Público Municipal e em Política e Estratégia. Aluna especial no Mestrado Acadêmico em Administração pela UFBa. Possui experiência na área jurídica adquirida em estágios em escritórios de advocacia, Petrobrás, Assembléia Legislativa e Câmara dos Deputados. Tem experiência internacional, em Dublin – Irlanda. Diretora Institucional da BBOSS. Voluntária [email protected] - Project Management Institute – Capítulo Bahia, Diretoria de Alianças e parcerias desde Agosto de 2015.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.