LOADING

Type to search

Onde estão os indicadores para acompanhar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável?

Share

Em março de 2016, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) assumiu a Presidência da Comissão de Estatística da Organização das Nações Unidas (ONU). A escolha “é um sinal de reconhecimento do prestígio internacional do Brasil na produção de estatísticas públicas oficiais”, porém, traz um grande desafio: a coordenação da escolha dos indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Mediante uma análise independente da ONU, o Center for Global Development (CGD) suscitou inúmeros desafios para o monitoramento e avaliação dos indicadores dos ODS. Na análise, o CGD enquadrou os dados em três categorias, já estabelecidas pelo Grupo Interinstitucional e de Especialistas sobre os Indicadores dos ODS (IAEG-SDG), sendo elas: 1) Tier I: indicadores que possuem uma metodologia definida e produzem dados regularmente; 2) Tier II: indicadores que tem uma metodologia definida, mas sem produção de dados regulares; 3) Tier III: indicadores sem metodologias definidas.

Apenas 42% dos indicadores se enquadram na categoria Tier I, ou seja, aquelas com metodologias já definidas e com produção regular de dados. Além disso, apenas 62% dos indicadores Tier I – ou 25% de todos indicadores – podem ser acessados publicamente online.

1. SDG Indicators by Tier Classification - Para João - 31.05.16

Para alguns objetivos, como o ODS 7 (Energias Renováveis) e ODS 9 (Inovação e Infraestrutura), a maioria dos indicadores é classificada como Tier I, contudo, o ODS 13 (Combate às mudanças climáticas) não possui nenhum indicador Tier I, ressaltando que não há um único indicador com uma metodologia definida, nem dados disponíveis para acompanhar o progresso desse objetivo.

A análise do CGD também buscou a disponibilidade e a extensão dos dados – em termos de cobertura por país e frequência dos estudos. No caso da disponibilidade, não há informações públicas disponíveis para o ODS 14 (Vida debaixo da água). Em outros casos, os dados possuem metodologias definidas, mas não são publicamente acessíveis. Por exemplo, os indicadores da União das Telecomunicações Internacionais estão disponíveis apenas para compra. Outros 15 indicadores exigem cálculos adicionais – com os dados públicos – para as suas obtenções.

Se por um lado, a ONU insiste no discurso de que ninguém será deixado para trás (no one leave behind), um dos primeiros desafios seria: ninguém se tornará invisível nesse mar de dados, indicadores e falta de acessibilidade.

———————————————————————————————–

Imagem (Fonte):

https://www.cgdev.org/sites/default/files/SDG-data-blog-2.png

João Antônio dos Santos Lima - Colaborador Voluntário

Mestre em Ciência Política na Universidade Federal de Pernambuco e graduado em Relações Internacionais na Universidade Estadual da Paraíba. Tem experiência como Pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) no projeto da Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi). Foi representante brasileiro no Capacity-Building Programme on Learning South-South Cooperation oferecido pelo think-tank Research and Information System for Developing Countries (RIS), na Índia; digital advocate no World Humanitarian Summit; e voluntário online do Programa de Voluntariado das Nações Unidas (UNV) no projeto "Desarrollar contenido de opinión en redes sociales sobre los ODS". Atualmente, mestrando em Development Evaluation and Management na Universidade da Antuérpia (Bélgica) e Embaixador Online do UNV na Plataforma socialprotection.org.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!