LOADING

Type to search

Os desafios e as oportunidades do Corredor econômico China-Paquistão

Share

O corredor econômico que liga a China ao Paquistão é parte fundamental da iniciativa da Nova Rota da Seda*. O acordo entre as duas nações asiáticas, que envolve $62 bilhões e visa a estabelecer um corredor de transportes, fortalece o relacionamento bilateral e possibilita o acesso chinês ao mar arábico. As iniciativas para a integração, contudo, não são novas. Desde os anos 1950, os dois países buscam maior conectividade física, o que é comprovado pela construção da rodovia Karakorum. A partir de 2002, entretanto, há aumento de cooperação e de investimentos chineses no país vizinho, como demonstra o projeto do porto de Gwadar.

Apesar dos benefícios para as duas nações, que ganham mais competitividade ao melhorarem a ligação física, há questões étnicas preocupantes em áreas do corredor econômico. Os uigures, uma das minorias étnicas da China, vivem principalmente na província de Xinjiang** e também estão em regiões paquistanesas. Recentemente, 50 mulheres uigures casadas com paquistaneses foram presas em Xinjiang, por possíveis vínculos com extremistas. A Assembleia Legislativa de Gilgit Baltistão***, território autônomo paquistanês, solicitou ao governo central do país que peça à China a liberação dessas mulheres. A situação está tensa, já que a comunidade local ameaçou fechar as fronteiras entre os dois países, no fim de março de 2018.

O aumento da insatisfação de alguns paquistaneses, portanto, constitui desafio importante para o fortalecimento do corredor econômico, já que os problemas étnicos ocorrem na área de limites entre os países. Além disso, a população ameaçou fazer boicote às atividades comerciais na região fronteiriça. As pressões, contudo, não motivaram o Governo do Paquistão a tomar medidas mais enérgicas. O país, assim como a China, defende o princípio da não intervenção nos assuntos internos de outras nações. 

Porto de Gwadar

Se há desafios, também há oportunidades. Segundo o presidente Xi Jinping, “Nós deveríamos usar o Corredor Econômico China-Paquistão para guiar nossa cooperação prática com foco no Porto de Gwadar, energia, desenvolvimento de infraestrutura e cooperação industrial, para que os frutos de seu desenvolvimento alcancem todo o povo no Paquistão e em outros países na nossa região”. O porto de Gwadar permite acesso dos chineses a mercados globais, o que facilita os planos de Pequim para ampliar sua influência global. Os vários projetos que envolvem aumento da produção de energia também reduzem a dependência paquistanesa da importação de petróleo e gás do Oriente Médio.

Gwadar é chave no projeto do corredor. Para muitos analistas, o porto é um monumento da amizade sino-paquistanesa. É o terceiro maior do Paquistão e, quando completo, será um porto de águas profundas. Há, também, planos para uma refinaria de petróleo em áreas próximas. Os dois países consideram o investimento no projeto como uma situação favorável a ambos.  A China ganhará projeção para o Oeste, e o Paquistão receberá um equipamento moderno.

O corredor econômico é projeto ambicioso que aumenta a influência chinesa no Paquistão e fortalece o relacionamento bilateral. Ainda que haja desafios, a tendência é que o investimento gere emprego, renda e melhore a situação econômica paquistanesa. A China, por sua vez, consegue uma base sólida para ampliar sua presença na Ásia e aproximar-se de concretizar a nova rota da seda.

———————————————————————————————–

Notas:

* Projeto chinês, anunciado pelo presidente Xi Jinping, em 2013, que busca conectar o país a outras áreas da Eurásia por meio de obras de infraestrutura, em parte recriando a antiga rota da seda utilizada por mercadores na Idade Média. Tem um componente marítimo e outro terrestre.

** Província chinesa de maioria islâmica, situada na fronteira com o Paquistão. Local onde há sentimento separatista e o governo chinês identifica ameaças terroristas.

*** Área fronteiriça da qual os maridos das mulheres detidas se originam.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Estrada Karakoram, que liga China ao Paquistão” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/China–Pakistan_Economic_Corridor

Imagem 2Porto de Gwadar” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Gwadar_Port

———————————————————————————————–

Demais Fontes Consultadas:

[1] Ver:

https://www.wilsoncenter.org/blog-post/the-china-pakistan-economic-corridor-and-energy-geopolitics-asia

[2] Ver:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Uigures

[3] Ver:

https://en.wikipedia.org/wiki/China–Pakistan_Economic_Corridor

[4] Ver:

http://southasiajournal.net/gb-residents-threaten-to-shut-pak-china-border/

[5] Ver:

https://thediplomat.com/2018/03/china-pakistan-economic-corridor-the-uyghur-challenge-and-the-chinese-security-model/

[6] Ver:

http://cpec.gov.pk/messages/2

[7] Ver:

https://amti.csis.org/gwadar-port-naval-base-string-pearls/

Jonas Marinho - Colaborador Voluntário

Especialista em Direito e Relações Internacionais pela Universidade de Fortaleza. Especialista em Desafios das relações internacionais, especialização oferecida pela Universidade de Leiden & pela Universidade de Genebra em parceria com o Coursera. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Ceará.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.