LOADING

Type to search

Partido de Erdogan venceu as eleições municipais na Turquia

Share

O “Partido Justiça e Desenvolvimento” (AKP), do primeiro-ministro da Turquia, Recep Erdogan, venceu as “Eleições Municipais” realizadas no país. As eleições foram marcadas por protestos que deixaram pelo menos oito mortos e 17 feridos em várias cidades. O AKP obteve 45,5% dos votos de todo o país, contra 27,9% de seu principal concorrente, o “Partido Republicano do Povo” (CHP)[1]. Na capital, Ancara, uma das cidades mais importantes para o AKP, o candidato do partido, Melih Gökçek, foi eleito prefeito. Para Erdogan, as eleições municipais representam uma espécie de referendo de aprovação do seu governo, abalado por denúncias de corrupção e autoritarismo. A vitória do partido governista acalmou a elite e os parceiros internacionais da Turquia[2].

Apesar das medidas impopulares adotadas recentemente, como o bloqueio do Twitter e do site de compartilhamento de vídeos Youtube, Erdogan continua com a popularidade alta entre as camadas mais pobres e conservadoras do país. O mandato de Primeiro-Ministro terminará em 2015. Ao comemorar a vitória de seu partido nas eleições municipais, Erdogan sugeriu que seu próximo passo será concorrer à Presidência em agosto, ou mudar as regras internas do AKP, criadas por ele mesmo, para concorrer a um quarto mandato de Primeiro-Ministro.

Erdogan planeja se manter no poder até 2023, quando completam 100 anos da “Revolução Kemalista”, que transformou a Turquia em república. Até pouco tempo, o país era considerado um modelo de democracia islâmica a ser exportado. Mas os protestos realizados em 2013, na “Praça Gezi”, revelaram ao mundo o lado autoritário do Primeiro-Ministro[3].

Um dia depois do “Tribunal Constitucional” ter declarado ilegal o bloqueio do Twitter ordenado pelo Governo, a rede social permaneceu inacessível na Turquia. O Tribunal decidiu por unanimidade que o bloqueio é uma violação do direito constitucional de liberdade de expressão e ordenou o desbloqueio imediato. A decisão, que deve ser aplicada pela “Autoridade Turca de Telecomunicações” (TIB), foi publicada ontem, quinta-feira, dia 3 de abril, no Diário Oficial[4].

—————————-

Imagem  (Fonte):

http://www.mediapool.bg/erdogan-specheli-mestnite-izbori-i-se-zakani-da-razgromi-opozitsiyata-news218591.html

—————————-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.bbc.com/news/world-europe-26807067

[2] Ver:

http://www.aljazeera.com/programmes/insidestory/2014/03/turkey-elections-test-erdogans-rule-2014331161154603492.html

[3] Ver:

http://www.economist.com/news/europe/21600161-ak-party-wins-convincingly-what-next-erdogan-roll
[4] Ver:

http://educaterra.terra.com.br/voltaire/atualidade/2003/03/17/000.htm

                 

Wladimír Tzinguílev - Bulgária

De nacionalidade Búlgara, é Mestre em Segurança Corporativa (2012) pela Universidade de Economia Nacional e Mundial (UNSS, Sófia). Atua na área de Segurança Pública, Segurança Corporativa e Diplomacia Corporativa com foco nos países do Leste Europeu, sendo referência em questões relacionadas a Península Balcânica, Turquia e Rússia. Atualmente é jornalista e editor de notícias internacionais da Televisão Nacional da Bulgária (BNT).

  • 1

Deixe uma resposta