LOADING

Type to search

Share

Já há algum tempo verifica-se o engajamento da ex-ministra do meio ambiente e ex-senadora Marina Silva no estabelecimento do partido “#Rede Sustentabilidade”, que, até o momento, já coletou mais de 800 mil assinaturas, sendo destas aproximadamente 110 mil assinaturas certificadas.  Tal exigência da coleta de assinaturas é obrigatória para o posterior registro no “Tribunal Superior Eleitoral” (TSE) brasileiro do novo partido, que, assim, poderá ter o aval para a candidatura à “Presidência da República” de Marina nas eleições de 2014.

Nas últimas eleições presidenciais (2010) a candidata presidencial Marina Silva obteve um total de 19.636.359 votos no território brasileiro, ou 19,33% do total dos votos válidos.  Na ocasião, ela ficou atrás apenas de Dilma Rousseff (46,91% dos votos) e José Serra (32,61% dos votos).

O que chama a atenção dos analistas é o fato de que as recentes manifestações no Brasil, desde os jogos da “Copa das Confederações”, resultaram em uma significativa queda da popularidade da presidente Dilma Rousseff em 28 pontos de intenções de voto, conforme anunciou a entidade de pesquisa estatística brasileira IBOPE, em publicação no dia 18 de julho pelo jornal “O Estado de S. Paulo”. Por sua vez, de acordo com os dados, Marina Silva é a concorrente que mais se beneficiou com a perda de popularidade de Dilma. 

A pesquisa mostra que a Presidente teria 30% dos votos se as eleições acontecessem hoje, enquanto que Marina Silva teria 22% deles, seguido dos outros pré-candidatos Aécio Neves (13%) e Eduardo Campos (5%).


Em uma simulação de segundo turno, Dilma e Marina aparecem tecnicamente empatadas, com 35% e 34% das intenções de voto, respectivamente, com uma margem de erro da pesquisa de dois pontos porcentuais.  Na possibilidade deste cenário para o segundo turno das eleições, 19% das pessoas entrevistadas afirmaram que anulariam ou votariam em branco. Os 13% restantes não souberam ou não quiseram responder. É destaque, também, que, de acordo com o IBOPE, apenas Marina Silva conseguiria empatar com a presidente Dilma Rousseff nas simulações de segundo turno.

Seguramente ainda é muito cedo para se ter certeza de como o cenário político deverá ser até as vésperas das eleições de 2014, mas é interessante destacar como Marina aborda atualmente temas como a sustentabilidade, em alusão ao nome de seu partido.  De acordo com ela, sustentável não é uma maneira de fazer, mas uma forma de ser. Não é só uma questão ambiental e ecológica, porque não é apenas um conceito, é um conjunto do econômico, social, cultural e ambiental, ao qual se  acrescenta a dimensão ética e estética.

No dia 26 de junho, Marina Silva afirmou que a principal marca do governo da presidente Dilma Rousseff é a do retrocesso ambiental, enquanto a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi associada à inclusão social e a do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso à estabilidade econômica.

Particularmente sobre o retrocesso ambiental, Marina observa o fato de que o “Governo Federal” (1) retirou as competências do IBAMA para fiscalizar o desmatamento; (2) o Código Florestal foi aprovado e dele se anistiou cerca de 40 milhões de hectares de floresta desmatadas ilegalmente; e (3) se aprovou uma lei para dar poderes ao Presidente para diminuir as unidades de conservação já criadas por outros governos, fato este que resultou na diminuição de 86 mil hectares para favorecer o licenciamento de hidrelétricas.

Ainda de acordo com Marina Silva, a intenção de voto e a popularidade da presidente Dilma Rousseff é apenas um sinalizador e não devem ser tratados como uma antecipação das eleições.  Segundo ela, as informações das pesquisas servem apenas como um registro a ser considerado e reflete o posicionamento do cidadão brasileiro, sendo necessário, ainda, debates sobre projetos que o país deve adotar.

Destaca-se que se pode interpretar que existe atualmente uma maior visibilidade e discussão entre os candidatos à Presidência quanto a agenda ambiental e os outros ramos relacionados à sustentabilidade, justamente pelo fato da crescente popularidade da ex-senadora Marina Silva e de seu partido político.  Entretanto, no campo empresarial, apesar da sustentabilidade de produtos e processos serem de grande relevância na atualidade, devido a crescente demanda e cobrança da população, o fato de haver um presidente da república que é 100% focado neste conceito, pode ser visto como um sério problema pela indústria, principalmente na Amazônia, que possui diversos projetos de infraestrutura planejados. 

Adicionalmente, destaca-se que é na Amazônia, sob floresta nativa e territórios indígenas, onde se encontram jazidas minerais com potencial para exploração econômica, como o potássio, utilizado na produção de fertilizantes (em “Nova Olinda”, Amazonas); ouro (no rio Tapajós) e estanho (em território ianomâmi, Roraima).  Isso sem mencionar temas como o desenvolvimento da agricultura e da pecuária.

Ganha relevância a perspectiva de que o eleitor das próximas eleições para Presidente da República precisa com grande intensidade compreender o atual momento político que se vive, os potenciais cenários no caso de vitória de um ou outro candidato, bem como qual poderá ser a reação da população brasileira, da indústria e dos investimentos externos diretos, dentre outros.  Por isso, diante do fato de a sociedade brasileira ter demonstrado com as recentes manifestações ocorridas no mês de junho que está engajada nos principais temas nacionais, destaca-se que o novo Presidente deverá estar bem posicionado com a povo brasileiro em suas reivindicações em amplos setores, dentre eles o ambiental.

———————–

Imagem (Fonte):

http://farm5.static.flickr.com/4147/5049155434_3db30342ea.jpg

———————–

Fontes consultadas:

Ver:

http://oglobo.globo.com/pais/marina-critica-antecipacao-da-campanha-eleitoral-de-2014-8646405#ixzz2ZY7ZqyUR

Ver:

http://oglobo.globo.com/pais/marina-critica-antecipacao-da-campanha-eleitoral-de-2014-8646405

Ver:

http://www.bhaz.com.br/marina-silva-e-apontada-como-principal-adversaria-de-dilma-nas-proximas-eleicoes/

Ver:

http://www.bhaz.com.br/marina-silva-e-apontada-como-principal-adversaria-de-dilma-nas-proximas-eleicoes/

Ver:

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2013/07/18/ibope-dilma-perde-28-de-intencoes-de-voto.htm

Ver:

http://exame.abril.com.br/brasil/politica/noticias/marina-silva-reafirma-possibilidade-de-disputar-presidencia?page=2

Ver:

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/os-vencedores-e-os-perdedores-da-semana-no-pais-20-07#6

Ver:

http://www.vozdabahia.com.br/index/blog/id-79977/religiao_pode_ser_barreira_para_eleicao_de_marina_silva

Ver:

http://exame.abril.com.br/brasil/politica/noticias/marca-do-governo-dilma-e-retrocesso-ambiental-diz-marina?page=2

Ver:

http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_canal=49&cod_noticia=16134

Enhanced by Zemanta
Tags:
Bernhard Javier Lago Smid - Colaborador Voluntário Sênior

Doutor pela ESC Rennes (França), possui Mestrado em Negócios Internacionais pela Munich Business School (Alemanha) e MBA em Comércio Exterior pela Fundação Getúlio Vargas (Brasil). Atualmente, é Diretor Executivo do Instituto de Capital Natural da Amazônia – ICNA, uma ONG com sede em Manaus (Brasil), que atua em questões relacionadas ao meio ambiente e ao clima (silvicultura, REDD+, pagamento por serviços ecossistêmicos, análise de políticas e assuntos governamentais). Através do ICNA, Bernhard compõe o CCT sobre Salvaguardas de REDD, estabelecido pelo Ministério do Meio Ambiente. Além de seu trabalho no ICNA, é relevante mencionar seu envolvimento com a empresa Matchmaking Brazil, que presta consultoria e apoio em gestão empresarial, gestão da qualidade, comércio exterior e promoção de comércio internacional. Adicionalmente, é associado sênior e membro da comissão de relações de mercado na Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (ABRIG) e Membro do Conselho Diretor da Climate Markets & Investment Association (CMIA), com sede em Oxford – UK. Adicionalmente, ele participa frequentemente de vários treinamentos e workshops sobre agronegócios e mudanças climáticas, incluindo o treinamento oferecido pela International Carbon Action Partnership – ICAP, Alemanha, para Líderes de Países Emergentes e em Desenvolvimento; a Summer School sobre mudanças climáticas e a adaptação de cidades e áreas metropolitanas (Havencity University de Hamburgo, Alemanha); e o curso técnico em agronegócios (CNA / SENAR).Viajar e aprender novas culturas são a paixão de Bernhard, que já teve a oportunidade de viajar por prazer e trabalhar para um grande número de países. É fluente em português, inglês, espanhol e alemão. Outros detalhes estão disponíveis no Linkedin: http://www.linkedin.com/in/bsmid

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.