LOADING

Type to search

Ações do governo iraniano mostram enfraquecimento político e instabilidade interna

Share

A mídia internacional está apresentando ao mundo ações descoordenadas do governo do Irã. Na quinta-feira da semana passada, dia 9 de setembro, a Presidência do Irã (cujo chefe é Mahmoud Ahmadinejad) anunciou que libertaria um dos três turistas estadunidenses que estavam presos no país sob acusação de espionagem, crime condenado com a pena de morte.

Na sexta-feira (dia 10) anunciou-se que o preso a ser libertado seria Sarah Shourd, contudo, no domingo a liberação foi cancelada.  O procurador de Teerã, Abbas Jafari Dolatabadi, explicou que o procedimento jurídico não havia sido finalizado e, por isso, não era possível soltar a prisioneira, resultando na “anulação da libertação”.

A razão para soltá-la era uma demonstração da “compaixão islâmica”, coincidindo com a data da “Aid al-Fetr”, que encerra o mês do “Ramadã”. Contudo, de acordo com a autoridade jurídica do país, a Presidência não poderia antepor-se a outro Poder. Ontem, por sua vez, foi anunciado que a estadunidense poderia ser solta, mediante o pagamento de uma fiança, orçada em US$ 500,000.00.

Independente dos resultados, os analistas internacionais estão afirmando que o governo está descoordenado e sofrendo pressões internas decorrentes das diferenças entre os grupos radicais que o compõem.

Completando o quadro, no sábado, dia 11 de setembro, o diplomata iraniano, Hosein Alizadeh, número dois da Embaixada, renunciou ao cargo e anunciou que se aliará à oposição ao governo.

Declarou que o fez devido às eleições injustas que ocorreram em junho de 2009, quando o Presidente (Mahmoum Ahmadinejad) foi imposto ao cargo. Afirmou ainda que os diplomatas do país são, na grande maioria, contrários ao governo.

Além disso que Ahmadinejad “representa um profundo perigo para todos, nao só para o mundo e para a região, mas também para os iranianos”. De acordo com os observadores, são indícios de que a situação interna está piorando, aumentando o risco de ocorrer uma ruptura.

Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.