LOADING

Type to search

China: apoio ou discordância acerca das Sanções a Teerã?

Share

A China manifestou ontem, dia 18 de maio, apoio ao Acordo realizado entre Irã, Brasil, e Turquia a respeito do programa nuclear iraniano. Porém não apresenta total clareza sobre o que o apoio representa, nem se, devido a ele, é contra ou pró a quarta rodada de sansões aos iranianos.

Segundo Hillary Clinton, “Secretária de Estado dos Estados Unidos”, em comunicado à imprensa, a China, junto das outras potências nucleares, aprovou o rascunho de sansões ao Irã.

Esta declaração ocorreu no mesmo dia em que o porta-voz do “Ministério dos Negócios Estrangeiros da China”, Ma Zhaoxu, fez a declaração de que seu país apoiava o Acordo assinado no dia 17 de maio. “Consideramos importante e apoiamos este acordo (…). Esperamos que isto ajude a promover a solução pacífica da questão nuclear iraniana”, afirmou a autoridade chinesa, também em comunicado oficial a imprensa.

Questionado sobre as “sanções”, ele deixou a entender que o país também pode aderir a sansões leves ao Irã, bem como que o acordo entre Brasil, Turquia e Teerã pode ser uma forma de se chegar a uma resolução negociada e pacífica. Resumiu suas declarações afirmando que “a China sempre apoiou a estratégia da via de mão dupla”.

O apoio ao Acordo trouxe mais dúvidas aos analistas e acadêmicos quanto ao posicionamento chinês, uma vez que eles, da mesma forma que os russos, têm boas relações comerciais com os iranianos.

De forma pragmática, percebem que as negociações realizadas podem ser um meio de recusar sansões, caso Teerã realmente cumpra o que foi assinado, dando um passo para novas negociações.

Por esta razão analistas estão apostando que o comportamento da China se manterá de observador, esperando um resultado concreto acerca do Acordo assinado. Se ele der certo, estão mantidas as relações comerciais com os iranianos no patamar em que se encontram. Se der errado, sua preocupação será pensar nas sanções de forma que não prejudiquem os investimentos que foram feitos até agora, tanto econômicos, quanto políticos.

Tags:
Fabricio Bomjardim - Analista CEIRI - MTB: 0067912SP

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. Atualmente é membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.