LOADING

Type to search

Share

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, iniciará sua primeira visita ao atual maior parceiro comercial do país: a China. A visita da presidenta aos chineses será fundamental para o futuro das relações entre os dois Estados, que ocupam cada vez mais espaço no cenário internacional.

No encontro entre as autoridades de ambos os países muitos temas serão discutidos. Temas comuns, incomuns, projetos de cooperação que estão no papel, ou que projetos que precisam ser aprofundados. Dentre tantos temas, um dos que mais chama atenção entre o empresariado brasileiro, principalmente do ramo industrial, é a defesa que a “Chefe de Estado” brasileira fará para que haja “reciprocidade” aos produtos brasileiros no mercado chinês.

Estamos a trabalhar para diversificar os produtos que exportamos e queremos reciprocidade, isto é, aumentar o acesso de produtos brasileiros ao mercado chinês e a participação das nossas empresas no desenvolvimento nacional chinês”, disse o “Porta Voz da Presidência da República”, Rodrigo Baena.

Segundo Baena, a maior parte da defesa será para produtos agrícolas e pecuários, como o mercado de frutas e carne de porco. Embora tenha maior relevância nas relações comerciais entre China e Brasil, os produtos agrícolas não serão os únicos colocados em pauta nas discussões. Também haverá discussão sobre as relações empresariais, sobre os produtos industrializados chineses no Brasil e vice-versa.

Por parte da China, presidente Hu Jintao irá recepcionar a mandatária brasileira, demonstrando que o Brasil é peça chave para o futuro do país no cenário internacional e também que este será necessário para o futuro econômico e político nas possíveis “mudanças de poder” globais. Hu e Dilma estarão presentes na abertura da cerimônia do “Diálogo de Alto Nível Brasil-China em Ciência, Tecnologia e Inovação”, um importante evento para aprofundar as relações entre os “gigantes emergentes”.

A presidente brasileira ainda se encontrará com o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, e durante sua visita deverão ser assinados “Acordos de Cooperação” na área da ciência, tecnologia, inovação, recursos hídricos, nas áreas culturais e da educação.

As autoridades também se prepararão para o encontro dos membros dos BRICS (“Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul”), que será realizado na cidade de Sanya (Província de Hainan, na China).

Tags:
Fabricio Bomjardim - Analista CEIRI - MTB: 0067912SP

Bacharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. Atualmente é membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.