LOADING

Type to search

Em primeiro dia, Reunião de Cúpula em Cancun, definiu apoio à Cristina Kirchner acerca das Malvinas/Falklands

Share

No primeiro dia de reunião do “Grupo do Rio”, em Cacun, México, os debates trouxeram de novidade apenas o consenso sobre o apoio dos países latino-americanos à Argentina, acerca da ação inglesa para explorar petróleo nas ilhas Falklands (Malvinas, para os argentinos).

As declarações foram acusatórias contra a Inglaterra e se basearam nas determinações da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre o fato de que não se poderá fazer qualquer alteração nas ilhas, enquanto não forem definidas, perante a comunidade internacional, as questões de soberania sobre o território.

Baseando-se neste ponto, os representantes manifestaram-se apoiando a presidente Cristina Kirchner e constará no relatório final da reunião uma declaração acerca do tema.

Com relação a Honduras, o posicionamento está dividido. De um lado, há o grupo liderado por Hugo Chávez, que mantém a recusa para o reconhecimento do governo do atual presidente, Porfírio Lobo, e o grupo, sob a liderança de Oscar Arias, que apóia a reintegração do país à OEA. O governo brasileiro já se pronunciou por ficar neste último grupo.

Ontem, como era esperado, houve muitas discussões e ofensas entre os presidentes da Venezuela (Hugo Chávez) e da Colômbia (Álvaro Uribe). Espera-se que o tema mobilizador das atenções no dia de hoje, 23 de fevereiro, seja à criação da nova Organização, que no Brasil está sendo apelidada de “OEA do B”*, anunciada por vários dos lideres já na semana passada. Está quase certo que serão destinados esforços para a criação desta nova entidade.

Como ela está se configurando como um instrumento contra os estadunidenses, mais que um Órgão para buscar soluções coletivas aos latino-americanos, um dos cenários previsíveis será que os Estados Unidos comecem a agir com mais intensidade na busca de aliados no continente. Será a estratégia para esvaziar a instituição, inutilizando as suas pretensões. Se assim ocorrer, como vários analistas prevêem, ela tornar-se-á mais um palco para cisões e não para ações coletivas.

—————————————————————————————————————————————-

* Para esclarecimentos sobre o uso irônico da sigla “OEA do B”, ver nota postada no dia de ontem, 22 de fevereiro de 2010, com o título “POLÍTICA INTERNACIONAL – Brasil pretende propor a criação de uma OEA alternativa, apelidada pelos analistas de ‘OEA do B’ “. Link:

http://www.webceiri.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=923:politica-internacional-brasil-pretende-propor-a-criacao-de-uma-oea-alternativa-apelidada-pelos-analistas-de-oea-do-b&catid=84:noticias&Itemid=85

Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.