LOADING

Type to search

Governo boliviano anunciou que comprará armamentos da Rússia e está em estudo a aquisição de aeronaves do Brasil

Share

O governo de Evo Morales anunciou que está acertada a compra de armamentos da Rússia, no total de US$ 100 milhões. O total será emprestado pelo governo russo para que a negociação se viabilize. Do montante, US$ 35 milhões estão destinados à compra de um avião presidencial Antonov.

 

Os bolivianos buscam a reposição de armamentos convencionais, como fuzis, mas tém em vista a aquisição de outros armamentos, como os caças de ataque ligeiro. Como concorrentes estavam um modelo chinês e o supertucano, brasileiro. O Brasil também entrou na concorrência com modelos de avião presidencial, mas a proposta russa foi vitoriosa, devido ao fato de os russos oferecem a instalação de uma central de manutenção Antonov no país.

Apesar de entrar na concorrência, não se acredita que o avião de treinamento e de ataque ligeiro brasileiro, o supertucano, seja o escolhido pela Bolívia. Há impedimentos legais para a comercialização de armamentos que contenham componentes norte-americanos com países com os quais os EUA têm contenciosos. Sempre que se inicia, a efetivação do negócio não recebe autorização e é encerrada.

Foi o que ocorreu com o cancelamento da venda do mesmo supertucano para Venezuela, país que se posiciona da mesma forma que a Bolívia perante os norte-americanos, e, muito recentemente está ocorrendo à paralisação de um negócio de US$57,8 milhões, referente à compra pelos bolivianos de seis aeronaves de fabricação Checa, mas que contém tecnologia norte-americana.

Os bolivianos anunciaram que, caso se mantenha a proibição estabelecida pelos EUA, certamente sua escolha será pelos russos. Deve-se acrescentar que Bolívia e Rússia estão acertando acordos militares e de investimentos que irão além da aquisição de armamentos.

Estão previstos assessoria militar, rearmamento, treinamento e investimentoem infra-estrutura. Omontante anunciado há alguns meses oscilava na casa dos US$ 4,5 bilhões. A atual negociação é apenas uma etapa de uma aproximação comercial-militar e parceria de financiamentos entre os dois países. De acordo com o previsto, se concretizada, ela se estenderá por vários anos.  

Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.