LOADING

Type to search

Irã faz exercícios militares no Golfo e testa míssil de curto alcance

Share

Dando continuidade aos exercícios militares na região do Golfo, onde tem feito manobras navais no estreito de Ormuz, o Irã testou um míssil de curto alcance denominado Fajr-5 (míssil da classe Fajr), que ainda não havia sido testado.

Foram lançados dois mísseis a título de testes, com o objetivo de realizar preparação para possíveis invasões do território iraniano vindos pelo mar, ou para combater ataques de Porta Aviões.

O anúncio tem objetivo dissuasório (causar temor, mostrando potencial para combater possíveis inimigos), objetivando atingir norte-americanos e israelenses. Ambos têm concordado que devem ser intensificadas as ações contra o governo de Teerã, diferindo no grau de ação.

Os estadunidenses desejam estabelecer uma quarta rodada de sanções contra o Irã, diferindo dos israelenses que têm se manifestado como prontos para uma possível invasão ao território iraniano, caso a postura de seu governo se mantenha em relação à Israel (Ahmadinejad tem afirmado ser a favor da extinção do Estado israelense). Apesar das divergências entre EUA e Israel, os dois países estão se preparando, deslocando tropas e preparando a logística para um possível combate contra o Estado iraniano.

Durante os exercícios militares, um comandante do exército iraniano declarou que foi avistado um avião de reconhecimento dos EUA, o qual recebeu advertência para se afastar da área, a qual, segundo anunciado cobre um perímetro de 250.000 Km2.

Acusou os norte-americanos de estarem realizando operações de inteligência para monitorar o treinamento. Apesar de não ter se pronunciado sobre a acusação, o procedimento de observação é normal para qualquer zona de operações em que estejam estacionadas tropas.

Reforçando a tese de que a situação tende à extremidade do uso da violência, um vice-primeiro-ministro do governo israelense, Moshe Yaalon, que foi ex-chefe das Forças Armadas deste país, afirmou em uma reunião com especialistas militares que “não há dúvida de que as capacidades tecnológicas aprimoradas nos últimos anos [por Israel] aumentaram o alcance e a capacidade de reabastecimento aéreo de nossas forças, e promoveram uma melhora maciça na precisão da inteligência e dos armamentos pesados móveis” (…) “Essa capacidade pode ser usada em uma guerra contra o terror em Gaza, uma guerra contra foguetes do Líbano, uma guerra contra o exército sírio convencional e também para uma guerra contra um Estado periférico como o Irã“. Foi a primeira declaração direta de preparação para ataque imediato no caso de uma guerra entre os dois países.

Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.