LOADING

Type to search

Segundo Frédéric Martel a Europa vem perdendo influência mundial, principalmente devido à recessão das suas indústrias culturais

Share

Frédéric Martel, pesquisador e jornalista (“France Culture”, “NonFiction.fr”), percorreu várias regiões do mundo para escrever o livro “Mainstream”* dedicado à análise das indústrias culturais na era digital, ressaltando a importância deste setor para um posicionamento mais eficaz da Europa perante o mundo.

Martel observa que a Europa perdeu espaço para o “superpoder cultural americano” e, por outro lado, países emergentes como a China, Índia e o Brasil ou ainda os países do Golfo, ganharam espaço ao construir indústrias culturais com os petrodólares. Contudo, “se a Europa não reagir, será marginalizada e, face aos países emergentes, será submergida”, complementou o pesquisador.

Os Estados Unidos continuam a ser o “líder incontestado” deste mercado globalizado. Melhor ainda, “os Estados Unidos não exportam apenas os seus produtos culturais – exportam também o seu modelo […] Em Damasco como em Pequim, em Hué como em Tóquio, e mesmo em Riade e em Caracas, fui surpreendido pelo fascínio dos meus interlocutores pelo modelo de entretenimento americano. As palavras são em hindu ou em mandarim, mas a sintaxe é americana”.

O autor acrescenta: “O último problema para a Europa, o mais grave, o que a distingue certamente dos Estados Unidos, mas também do mundo árabe, provavelmente da África e talvez mesmo da Ásia, é o desaparecimento da sua cultura comum. Se olharmos de perto as estatísticas culturais na Europa, constatamos que cada país é capaz proteger bem a sua música e a sua literatura nacionais, às vezes o cinema, freqüentemente os programas de televisão, mas o resto dos conteúdos não nacionais é cada vez mais americano e menos europeu”.

—————————————————————————————————————————————-

* Para maiores informações sobre o autor e o livro acesse: http://www.fredericmartel.com/

Tags:
Daniela Alves - Analista CEIRI - MTB: 0069500SP

Mestre em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Relações Internacionais, jornalista e Especialista em Cooperação Internacional. Atualmente é CEO do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (CEIRI) e Editora-Chefe do CEIRI NEWSPAPER. Vencedora de vários prêmios nacionais e internacionais da área dos Direitos Humanos. Já palestrou em várias cidades e órgãos de governo do Brasil e do Mundo sobre temas relacionados a profissionalização da área de Relações Internacionais, Paradiplomacia, Migrações, Tráfico de Seres Humanos e Tráfico de órgãos. Trabalhou na Coordenadoria de Convênios Internacionais da Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo e na Assessoria Técnica para Assuntos Internacionais da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Governo do Estado de SP. Atuou como Diretora Executiva Adjunta e Presidente do Comitê de Coordenação Internacional da Brazil, Russia, India, China, Sounth Africa Chamber for Promotion an Economic Development (BRICS-PED).

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!