LOADING

Type to search

Segundo “Wikileaks”, caça Rafale tem dependência de tecnologia norte-americana

Share

Começa a ser discutido entre os analistas o documento divulgado pelo site “Wikileaks”, afirmando que a aeronave francesa “Rafale” tem componentes com tecnologia norte-americana. O “Rafale” está sendo apontada como possível vencedor na concorrência do “Projeto FX-2” para equipar a “Força Aérea Brasileira” (FAB).

Pela natureza do Contrato que se deseja firmar, pontos essenciais precisam ser respeitados pelos países concorrentes, para surgir um vencedor. Dentro do planejamento estratégico brasileiro são exigidas várias condições necessárias para a vitória, devendo ser destacadas: (1) o projeto a ser desenvolvido no Brasil deverá, necessariamente, trazer benefícios econômicos ao país, significando que, além de gerar trabalho dentro Brasil, tem de estabelecer uma rede produtiva no país; (2) gerar no Brasil capacidade técnica para projetar, produzir e integrar os sistemas de armas; (3) deve haver diversificação na origem dos equipamentos que serão adquiridos; (4) os fornecedores do material não podem ser  alinhados, pois somente isso viabilizaria o cumprimento da condição anterior.

Destacam-se estes pontos pelo fato de, sendo reais as informações disseminadas pelo “Wikileaks”, o principal argumento utilizado pelo governo brasileiro para a aquisição da aeronave francesa torna-se inválido, já que a Dassault, empresa que fabrica o Rafale, terá de solicitar aos EUA uma “licença de controle de exportação” para elementos e equipamentos que usam tecnologia norte-americana.

Também torna-se invalidado o argumento do presidente da França, Nikolás Sarkozy, de que a França é a melhor parceira para países que não querem depender de tecnologia norte-americana, pois isso não corresponderá à realidade.

A reboque da novidade, ganha força a proposta da SAAB, fabricante do caça sueco “Gripen”, outro concorrente, pois está em seu planejamento trazer a fábrica para o Brasil e desenvolver no país, um novo modelo de caça, daí o “Gripen NG”, que se constituirá com substituição de todas as peças com tecnologia estadunidense por outras projetadas no Brasil, com técnicos suecos e brasileiros, garantindo a transferência total de tecnologia, juntamente coma  criação de uma cadeia produtiva sueca-brasileira.

Analistas acreditam que esta hipótese, apesar de afetar os negócios que poderiam ser firmados com os EUA, não incomodaria os norte-americanos, que podem atuar em outros campos, pois se sabe que para eles o mais importante é firmarem negócios em amplos setores com o Brasil, já que vêem os brasileiros como parceiros e aliados de longo prazo e não como clientes de curto prazo.

Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.