LOADING

Type to search

Share

[:pt]

Na última terça-feira (29 de novembro), a cidade de São Paulo foi palco para a troca de experiências interculturais diretamente de refugiados e apátridas. Sob a organização da equipe Migraflix, o evento foi conduzido no formato TEDx, com a participação da banda Mazeej, composta por refugiados, migrantes e brasileiros, e com a apresentação de relatos reais de refugiados e apátridas, atualmente residentes no Brasil.

captura-de-tela-2016-12-04-as-21-02-00Entre os relatos, as Nações Unidas destacaram as histórias de Maha Jean Mamo, Alphonse Nyembo e Basma El Halabi. A primeira aborda as dificuldades enfrentadas por um apátrida, isto é, que não possui nacionalidade ou pátria de origem, ou que perdeu. De acordo com Maha, ela e os seus irmãos nunca puderam ser registrados, porque eles são filhos de sírios de religiões diferentes e esse tipo de união civil entre cristãos e muçulmanos é ilegal naquele país. No intuito de mobilizar a comunidade sobre as dificuldades enfrentadas por apátridas, Maha declarou apoio à campanha #IBelong, que busca recolher 10 milhões de assinaturas e acabar com a condição de apátrida até 2024.

Alphonse Nyembo, refugiado da República Democrática do Congo, compartilhou a sua história dando ênfase aos conflitos civis, muitas vezes relacionados à prática extrativista. O relato de Alphonse revela um efeito cascata de externalidades negativas, ao observar que as crianças e adolescentes são exploradas para a obtenção dos recursos naturais; e que os consumidores poderiam reverter esse cenário verificando as condutas das empresas e aproveitando ao máximo o tempo de vida útil de aparelhos eletrônicos.

Por fim, Basma El Halabi relatou os abusos psicológicos sofridos durante toda a sua vida no Marrocos por ser mulher. Na apresentação, Basma divulgou a campanha “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres”, que, neste ano (2016), tem como tema: “Prevenindo e enfrentando a violência sexual”.

Em suma, o evento contribuiu para aproximar a população sobre as trajetórias e os desafios de refugiados e apátrida, ligando-os a temas que estão constantemente em debate, como o direito à cidadania, o consumismo na agenda do desenvolvimento sustentável e a igualdade de gênero.

———————————————————————————————–                    

Imagens 1 e 2Refugiados do Congo caminham na Praia de Copacabana em ato contra a guerra civil, violações de direitos humanos e por garantia de eleições presidenciais em seu país” (Fonte):

http://fotospublicas.com/refugiados-do-congo-caminham-na-praia-de-copacabana-em-ato-contra-guerra-civil-violacoes-de-direitos-humanos-e-por-garantia-de-eleicoes-presidenciais-em-seu-pais/

[:]

João Antônio dos Santos Lima - Colaborador Voluntário

Mestre em Ciência Política na Universidade Federal de Pernambuco e graduado em Relações Internacionais na Universidade Estadual da Paraíba. Tem experiência como Pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) no projeto da Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional (Cobradi). Foi representante brasileiro no Capacity-Building Programme on Learning South-South Cooperation oferecido pelo think-tank Research and Information System for Developing Countries (RIS), na Índia; digital advocate no World Humanitarian Summit; e voluntário online do Programa de Voluntariado das Nações Unidas (UNV) no projeto "Desarrollar contenido de opinión en redes sociales sobre los ODS". Atualmente, mestrando em Development Evaluation and Management na Universidade da Antuérpia (Bélgica) e Embaixador Online do UNV na Plataforma socialprotection.org.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.