LOADING

Type to search

Senado brasileiro discutiu crise do Oriente Médio

Share

Ontem, dia 19 de março, a “Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional” do Senado brasileiro realizou mais uma rodada para discutir a situação do “Oriente Médio” focando dessa vez a Síria e o Irã. A audiência pública foi realizada às 18 horas e foi solicitada pelo senador Fernando Collor de Melo (PTB-AL; “Ex-Presidente da República” e Presidente desta Comissão).

Foram convidados para tratar do assunto: o embaixador Paulo Cordeiro de Andrade Pinto, como representante do “Ministério das Relações Exteriores” (MRE); Márcio Scalercio, professor do “Instituto de Relações Internacionais” da “Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro” (PUC-RJ); Williams da Silva Gonçalves, professor da “Universidade do Estado do Rio de Janeiro” (Uerj); e o professor Jorge Muniz de Souza Mortean, mestrando em assuntos iranianos pela “Escola de Relações Internacionais do Ministério de Relações Exteriores do Irã”.

O senador Collor apresentou em sua justificativa para requere a audiência que “O objetivo é, sobretudo, levar à sociedade brasileira instrumentos e informações para reflexão sobre o momento de reposicionamento das grandes e principais nações do planeta”*, uma vez que tem se posicionado alegando que os acontecimentos na região configuram uma mudança no cenário geopolítico mundial, algo que irá requerer um correto posicionamento do Brasil.

Observadores dos debates sobre “Relações Exteriores” e Defesa no Senado brasileiro têm apontado o intenso trabalho realizado nesta Comissão, efetuando constantes apontamentos positivos ao comportamento de seus membros que têm ficado atentos aos problemas mundiais e desenvolvido diálogos para apresentar possíveis posturas do Brasil em relação aos problemas mundiais.

Apontam alguns analistas dos trabalhos realizados no Congresso brasileiro que esta audiência configura uma parte de um ciclo de debates, visando trazer elementos concretos para a reflexão dos senadores e permitir a fiscalização dos atos dos executivos, bem como do planejamento do Governo em sua “política externa”. Esperam ainda que, na iminência de um conflito naquela região, os debates no Senado permitam auxiliar o Legislativo em adotar um posicionamento adequado ao cenário mundial, bem como aos interesses do Estado e da sociedade brasileira, sem traços ideológicos e políticos partidários. Por esta razão, vários setores têm elogiado a postura pró-ativa do Senado e de seu Presidente.

——————————–

Fonte:

* Ver:

http://www.dci.com.br/instabilidade-na-siria-e-no-ira-sera-discutida-nesta-segunda-no-congresso-id286472.html


Tags:
Marcelo Suano - Analista CEIRI - MTB: 16479RS

É Fundador do CEIRI NEWSPAPER. Doutor e Mestre em Ciência Política pela Universidade em São Paulo e Bacharel em Filosofia pela USP, tendo se dedicado à Filosofia da Ciência. É Sócio-Fundador do CEIRI. Foi professor universitário por mais de 15 anos, tendo ministrado aulas de várias disciplinas de humanas, especialmente da área de Relações Internacionais. Exerceu cargos de professor, assessor de diretoria, coordenador de cursos e de projetos, e diretor de cursos em várias Faculdades. Foi fundador do Grupo de Estudos de Paz da PUC/RS, do qual foi pesquisador até o final de 2006. É palestrante da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-RS), tendo exercido também os cargos de Diretor de Cursos e Diretor do CEPE/CEPEG da ADESG de Porto Alegre. Foi Articulista do Broadcast da Agência Estado e do AE Mercado (Política Internacional), tendo dado assessoria para várias redes de jornal e TV pelo Brasil, destacando-se as atuações semanais realizadas a BAND/RS, na RBS/RS e TVCOM (Globo); na Guaíba (Record), Rádioweb; Cultura RS; dentre vários jornais, revistas e Tvs pelo Brasil. Trabalhou com assessoria e consultoria no Congresso Nacional entre 2011 e 2017. É autor de livros sobre o Pensamento Militar Brasileiro, de artigos em Teoria das Relações Internacionais e em Política Internacional. Ministra cursos e palestra pelo Brasil e no exterior sobre temas das relações internacionais e sobre o sistema político brasileiro.

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!