LOADING

Type to search

Share

No dia 1o de outubro (2017) as Nações Unidas celebraram o Dia Internacional das Pessoas Idosas. A data é comemorada anualmente, com a finalidade de alertar a sociedade acerca dos direitos dessa população. A ocasião deste ano (2017) serviu para que a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançasse iniciativas voltadas para melhorias na qualidade de vida da terceira idade – que são pessoas que possuem 60 anos ou mais. Para o ano atual, o tema-base é “Passos para o futuro: mapeando talentos, contribuições e participação das pessoas idosas na Sociedade”.

As mulheres do Grupo de Mulheres da Cerâmica Keyo colocam lama e palha em um forno antes de disparar uma carga de fogões de cozinha

A preocupação com o bem-estar dos idosos é parte dos esforços na agenda da saúde dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para tanto, os países signatários se comprometeram a envidar esforços para ampliar a cobertura de saúde da terceira idade, por meio de maiores investimentos em programas voltados especificamente para o seu atendimento.

Como exemplo da urgência no fomento a essas iniciativas, a OMS prevê que, por volta de 2050, uma a cada cinco pessoas no mundo terão entre 60 anos ou mais. Já o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento estima que, entre 2015 e 2030, o número de idosos crescerá 56%, alcançando um montante de quase 1,5 bilhão de pessoas. Nesse ínterim, espera-se que essa população represente quase 17% na Ásia e na América Latina, e 6% na África.

Considerando tais aspectos, o PNUD também reforça que é necessário aumentar esforços na entrega de políticas de proteção social que provenham benefícios que garantam a saída da pobreza, como a inclusão no mercado de trabalho formal e o acesso gratuito a serviços básicos, como transporte urbano. Tais medidas permitiriam que as pessoas da terceira idade estejam melhor incluídas no cotidiano social.

Discussões sobre políticas públicas para os idosos têm sido impulsionadas dentro das agendas de proteção social de muitos Estados africanos. Como exemplo, em 2005 o Lesoto lançou uma pensão de acesso a todos os cidadãos com mais de 70 anos, com o objetivo de garantir renda básica.

O valor destinado para cada pessoa é de aproximadamente 40 dólares e beneficia mais de 80 mil idosos. Ressalta-se que Lesoto está localizado no Sul da África, possui 2 milhões de habitantes e tem alcançado êxitos no combate ao subdesenvolvimento, apesar de mais da metade da população ainda se encontrar na extrema pobreza.     

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Esther Atieno fica ao lado das peças que ela fez em Kisumu, no Quênia” (Fonte Foto: Peter Kapuscinski / World Bank):

https://www.flickr.com/photos/worldbank/30994141476/in/album-72157601463732327/

Imagem 2 As mulheres do Grupo de Mulheres da Cerâmica Keyo colocam lama e palha em um forno antes de disparar uma carga de fogões de cozinha” (Fonte Foto: Peter Kapuscinski / World Bank):

https://www.flickr.com/photos/worldbank/25393331909/in/album-72157601463732327/

Vinícius Sousa dos Santos - Colaborador Voluntário

Especialista em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (UnB). Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Católica de Brasília (UCB), com experiência acadêmica internacional no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. É coordenador do Café com Política e colunista político do Congresso em Foco. Foi estagiário-visitante da Câmara dos Deputados e trainee do Setor Político, Econômico e de Informação da Delegação da União Europeia no Brasil. Atuou também como pesquisador colaborador voluntário do Observatório Brasil e o Sul (OBS). É voluntário Departamento da Juventude da Cruz Vermelha Brasileira Brasília (CVBB).

  • 1

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá!